Braga

Braga. Vai haver “Geringonça” na Junta de Maximinos, Sé e Cividade

Seco Magalhães
Redação
Escrito por Redação

Com 130 dias decorridos após as últimas eleições autárquicas, foi ontem aprovada a constituição do novo executivo político da Junta de Maximinos, Sé e Cividade, no concelho de Braga, com aprovação do PSD e do CDS, com voto contra de Francisco Mota

Luís Pedroso, eleito presidente da Junta com a maioria PSD/CDS-PP, fica na presidência do executivo, enquanto o independente Seco Magalhães foi empossado secretário. O candidato do PS, António Fernandes, foi nomeado tesoureiro, ficando assim os três candidatos com os três lugares de decisão no executivo daquela união de freguesias.

Sebastião Magalhães (Independente) e Manuel Jorge Miranda (PSD/CDS-PP) foram eleitos vogais.

No entanto, falta ainda apurar a presidência da Assembleia de Freguesia, sendo que as propostas em cima da mesa apontam um candidato afeto ao PSD e outro ao PS.

A proposta aceite a noite passada pelo PSD e CDS será votada ainda em assembleia.

No que se refere à presidência da Assembleia da Freguesia, prosseguem as negociações com uma proposta em cima da mesa: um eleito do PS ou um eleito do PSD/CDS.

Nesse dia, a concretizar-se a votação anunciada a favor das três listas mais votadas, coloca-se um ponto final num impasse de 140 dias.

Recorde-se que no dia 1 de outubro, a coligação ‘Juntos por Braga’ ganhou as últimas eleições autárquicas com 2 309 votos (32,42 %), cinco mandatos na Assembleia de Freguesia e a presidência da Junta.

A lista independente ‘Servir Maximinos, Sé e Cividade’, liderada pelo ex-presidente da Junta de Freguesia de Maximinos, João Magalhães, obteve 1 934 votos ( 27,16%) e quatro mandatos.

A candidatura do PS foi a terceira mais votada com 1 472 votos (20,67%) e três mandatos, tendo a CDU eleito um elemento para a Assembleia de Freguesia, em resultado dos 610 (8,17%) votos obtidos nas eleições autárquicas de 1 de Outubro.


Acerca do autor

Redação

Redação

Deixar um comentário