País

Moinhos e azenhas podem ser rentabilizados com produção de energia elétrica. Só em Vila Verde há 400 moinhos.

Os antigos moinhos e azenhas vão poder ser rentabilizados produzindo energia elétrica. O projeto de resolução que prevê a regulamentação da produção de energia hidroelétrica por via do aproveitamento e transformação de moinhos, azenhas, açudes ou outros engenhos hídricos foi aprovado há dois anos, mas só na passada quinta-feira, 19 de fevereiro, viu aprovado o decreto-lei pelo Conselho de Ministros.

O projeto de resolução que recomendava ao Governo o aproveitamento dos moinhos e açudes existentes em território nacional com ligação à rede elétrica de serviço público em baixa tensão foi subscrito pelo deputado eleito pelo distrito de Braga, Altino Bessa, do CDS-PP, em 2012. Agora, após a aprovação do decreto-lei pelo Conselho de Ministros falta apenas a publicação em Diário da República.

Altino Bessa, também vereador do Ambiente, Energia e Desenvolvimento Rural do município da Câmara Municipal de Braga, avançou com a informação acerca do desenvolvimento deste processo no sábado, 21 de fevereiro, no decorrer da iniciativa “Aventura pelo Ambiente” na freguesia de Priscos, no concelho de Braga.

“A recuperação dos engenhos associada a uma rentabilidade – poder produzir energia nos moinhos e azenhas e daí tirar um rendimento – vai levar à recuperação do património, à fixação das pessoas e ocupação do território”, afirmou o vereador, – citando o Correio do Minho. “As pessoas vão ver aqui uma oportunidade, que vale a pena recuperar estes moinhos porque há perspetiva de os rentabilizar”, referiu, ainda de acordo com o mesmo jornal regional.

A recuperação destes engenhos vai depender dos proprietários, mas com um investimento reduzido, quem apostar por esta via irá obter rentabilidade com o aproveitamento do equipamento, valores que Altino Bessa, estima que possam alcançar dois ou três mil euros mensais.

Em Vila Verde estão inventariados cerca de quatro centenas de moinhos, sendo que a região do Minho conta com milhares.

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo