País

Politécnico do Cávado e Ave contra “discriminação” no acesso ao ensino superior

A Associação de Estudantes do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA) considerou hoje que a eventual diferenciação das condições de acesso ao ensino superior seria uma medida “discriminatória e prejudicial” tanto para universidades como para politécnicos.

Em comunicado, aquela associação acrescenta que a diferenciação, com regras menos apertadas para o ingresso no politécnico, seria uma “desconsideração” para com este ensino e para com os alunos que o escolhem.

Em causa está a proposta, já enviada ao Governo pelo Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), que prevê que para os politécnicos as provas de ingresso possam passar a ser a nota final às disciplinas exigidas e não as notas dos exames nacionais.

Para a Associação de Estudantes do IPCA, trata-se de uma “diferenciação clara entre ensino politécnico e ensino universitário”, uma medida que seria “discriminatória e prejudicial para ambas partes”.

“Consideramos que a proposta apresentada pelo CCISP carece de estrutura, estudo e fundamentação que suportem a alteração às condições de acesso ao ensino superior”, acrescenta.

A associação propõe que a 3.ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior seja aberta a estudantes com as disciplinas específicas no 12.º ano, que assim poderiam concorrer às vagas não preenchidas pelos candidatos às 1.ª e 2.ª fases.

Uma regra que, acrescenta, seria permitida quer para as vagas por ocupar nos cursos do ensino universitário, quer nos cursos de ensino superior politécnico.

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo