País

Independentes também querem eleições antecipadas em Cabeceiras de Basto

O movimento Independentes por Cabeceiras (IPC) defendeu hoje, em comunicado, a realização de eleições intercalares naquele município, na sequência da demissão do presidente da Câmara, China Pereira, eleito pelo PS.

No domingo, também a Distrital de Braga do PSD tinha reivindicado a realização de eleições em Cabeceiras de Basto, um caminho recusado pela Federação Distrital do PS, que alegou que a situação já está normalizada, com a ascensão à presidência do número dois da lista socialista, Francisco Alves.

Nas últimas autárquicas, o PS ganhou as eleições para a câmara de Cabeceiras de Basto, elegendo três vereadores, os mesmos que o IPC, tendo ainda sido eleito um vereador pelo PSD.

Este último acabou por se afastar do partido, assumindo-se também como independente.

Na sexta-feira, o presidente da Câmara, Serafim China Pereira, anunciou a sua demissão do cargo, por se sentir “humilhado” com as críticas públicas que lhe foram feitas pelo seu partido.

O IPC admite que a opção pelo número dois da lista “é viável e legítima, do ponto de vista legal”, mas sublinha que, do ponto de vista político, “é inequívoco que essa legitimidade está posta em causa”.

“O novo presidente não foi a escolha da população cabeceirense que votou no PS. Por outro lado, o PSD deixou de estar representado na câmara, o que agrava a diferença entre o novo executivo e o que foi proposto aos eleitores em setembro de 2013”, refere o IPC.

Este movimento independente diz ainda lamentar a demissão de China Pereira, por considerar que ele tinha feito chegar ao município “um saudável clima democrático, pelo qual os cabeceirenses tanto ansiavam”.

“O IPC considera que os dirigentes do Partido Socialista constituíram o principal fator de instabilidade e impediram uma gestão tranquila da câmara pelo seu próprio presidente, cabendo-lhes a responsabilidade exclusiva pela demissão de China Pereira”, acrescenta.

Por tudo isto, o movimento considera que deve ser dada novamente “a palavra ao povo”.

“A convocação de eleições não depende só de nós, mas estamos disponíveis para criar em conjunto com as outras forças políticas as condições necessárias para que tal aconteça”, sublinha.

Até às últimas autárquicas, a Câmara de Cabeceiras de Basto foi liderada por Joaquim Barreto (PS), que não se pôde recandidatar por causa da lei de limitação de mandatos.

Joaquim Barreto é o atual presidente da Assembleia Municipal e da Federação Distrital de Braga do PS.

No início do seu último mandato como presidente da Câmara de Cabeceiras, o lugar de vice-presidente chegou a ser ocupado por Jorge Machado, atual líder do IPC e presidente da direção dos bombeiros do concelho.

Joaquim Barreto e Jorge Machado desentenderam-se, na sequência da polémica relacionada com a retirada do concelho da ambulância de suporte imediato de vida.

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo