Braga

Investigadores da UMinho descobrem gene envolvido na regulação do sono

Partilhe esta notícia!

Dois investigadores da Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho estão envolvidos na descoberta de um gene responsável pela regulação do sono. O gene Taranis foi encontrado em moscas drosófila, uma espécie que serve frequentemente de modelo em investigação cientifica. O trabalho desenvolvido na Universidade Thomas Jefferson (EUA), onde os cientistas Dinis Afonso e Daniel Machado realizam o doutoramento, defende a existência de um gene similar em mamíferos, incluindo o ser humano.

Esta descoberta contribuirá para o desenvolvimento de fármacos mais eficientes contra perturbações do sono, um problema que afeta cerca de 20% da população portuguesa. O trabalho publicado na revista “Current Biology” e destacado na revista “Time” tem como primeiro autor Dinis Afonso, do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde da UMinho, sob coordenação de Kyunghee Koh, da Universidade Thomas Jefferson.

Partindo do pressuposto que as moscas têm uma necessidade de dormir semelhante à das crianças, foi desenvolvido um estudo com cerca de 3000 moscas drosófilas. Nestas foram introduzidas mutações aleatórias e monitorizada a qualidade do sono. “As moscas que apresentaram formas anormais de Taranis conseguiram apenas cerca de 25% do seu sono diário”, explica Dinis Afonso. “Nos seres humanos, o gene semelhante ao Taranis poderá regular o sono através de um mecanismo parecido. A vantagem é que existe agora um novo alvo para o qual se poderão, eventualmente, desenvolver medicamentos e melhorar o tratamento das perturbações do sono, diminuindo as insónias e aumentando a qualidade de vida da população”, acrescenta.

Concluiu-se, ainda, que o gene Taranis trabalha conjuntamente com duas outras proteínas para manter o balanço sono-despertar. Em situações de normalidade, a Taranis e a Cyclin A bloqueiam a atividade de uma outra enzima, a Cyclin-dependent kinase 1, responsável por manter as moscas acordadas.

Comentários

topo