Vila Verde

“Urgente remodelar as atuais instalações de saúde em Cervães e Pico de Regalados/Portela do Vade”

Partilhe esta notícia!

“A falta de investimento na saúde por parte do atual governo tem provocado graves constrangimentos no concelho de Vila Verde, nomeadamente em Cervães e no Pico de Regalados/Portela do Vade, onde é urgente investir e remodelar as atuais instalações”. A tomada de posição é dos candidatos vilaverdenses a deputados pelo PS, Luís Castro e Deolinda Pimenta, que reuniram hoje (19 de agosto) com Nuno Oliveira, o novo diretor executivo do ACES Gerês-Cabreira, nas instalações do Centro de Saúde de Vila Verde.

Os candidatos socialistas não estão com meias medidas e frisam que é imperativo “dar condições dignas a profissionais da saúde e utentes servidos por essas extensões de saúde”. Luís Castro sublinhou que é necessário implementar uma reforma ao nível dos cuidados de saúde primários e dos cuidados continuados integrados, apostando em simultâneo na revitalização do Serviço Nacional de Saúde. “Urge recuperar o funcionamento dos hospitais intervindo a montante, através da criação de mais unidades de saúde familiares e a jusante, na execução do plano de desenvolvimento de cuidados continuados a idosos e a cidadãos em situação de dependência”, apontou o candidato.

“Integrar as prestações de saúde com as da Segurança Social”

O socialista defende ainda a adoção de medidas especiais que privilegiem grupos mais vulneráveis. “Sendo horizontais as determinantes da má saúde e cada vez mais agudas as necessidades de apoio coordenado ao cidadão idoso e com dependência, não deve perpetuar-se a atual verticalização estanque dos dois principais instrumentos do Estado Social”, disse, acrescentando que “temos que integrar as prestações de saúde com as da Segurança Social, tanto a nível local como a nível regional e central”.

Por sua vez, Deolinda Pimenta aproveitou para avançar algumas medidas que garante vão figurar nos cadernos eleitorais do Partido Socialista para as próximas legislativas.  “O PS valorizará a Saúde Pública enquanto área de intervenção, para a boa gestão dos sistemas de alerta e de resposta atempada dos serviços, o diagnóstico de situações problemáticas e a elaboração, com a comunidade, de planos estratégicos de acção”, referiu, assegurando ainda que “os perfis e planos locais de saúde são construídos de forma a potenciar os recursos, valorizando as pessoas”.

Comentários

topo