Vila Verde

Luís Castro e Deolinda Pimenta preocupados com setor agrícola vilaverdense

Partilhe esta notícia!

Os socialistas vilaverdenses Luís Castro e Deolinda Pimenta, candidatos a deputados pelo PS pelo círculo eleitoral de Braga, foram elucidados sobre a realidade agrícola no concelho de Vila Verde após uma reunião com a direção da CAVIVER – Cooperativa Agrícola de Vila Verde. Os candidatos tomaram conhecimento de uma realidade pouco animadora para o sector agrícola. Nos últimos anos o concelho perdeu 50% dos produtores animais e a área de baldios subsidiada diminuiu cerca de 40%, “agravando os problemas dos fogos florestais e provocando um abandono das zonas rurais”.

Luís Castro apontou as dificuldades de escoamento dos produtos como o maior entrave enfrentado pelos agricultores locais, deixando também críticas duras ao poder central em relação às dificuldades sentidas pelos produtores de leite. “O Governo deve negociar junto das instituições europeias mecanismos de regulação que permitam atenuar os graves problemas do setor”.

Apoios mais regulares e atempados

O candidato vilaverdense aproveitou ainda a ocasião para apresentar as medidas propostas pelo Partido Socialista nesta matéria, que se podem dividir em três áreas de intervenção prioritárias. “A exploração do potencial económico da agricultura, a promoção do desenvolvimento rural e o fomento de uma gestão florestal sustentável. Estes três eixos seguem a mesma filosofia geral: a eficácia em matéria de resultados, a eficiência em matéria de custos e a equidade em matéria de discriminação positiva para as zonas desfavorecidas, a pequena agricultura ou os jovens agricultores”, frisou Luís Castro.

Por seu turno, Deolinda Pimenta vincou a necessidade de responder em tempo útil às necessidades dos produtores, garantindo que o financiamento proveniente dos programas de apoio é paga de forma regular e atempada. “O PS garantirá que os agricultores recebam os pagamentos do I Pilar da PAC nos calendários mais curtos permitidos pela regulamentação comunitária e que os beneficiários do II Pilar da PAC vejam os seus projetos aprovados e os pagamentos processados de forma regular, o que não tem acontecido e provoca graves constrangimentos aos agricultores”, afirmou, acrescentando que “é necessário incentivar o empreendedorismo rural facilitando o acesso a terra e a mecanismos profissionais de comercialização dos produtos”.

 

Comentários

topo