Vila Verde

Junta de Soutelo congratula-se com decisão da DGEstE no caso Jardim de Infância

Partilhe esta notícia!

Depois de nota do PCP, foi agora a vez da junta de freguesia de Soutelo dar nota de congratulação a propósito do caso “Jardim de Infância de Soutelo”. As crianças daquela freguesia do concelho de Vila Verde já não vão ser deslocadas, isto depois de “batalha” a propósito do encerramento de duas salas do Jardim de Infância de Soutelo. “Os meninos naturais da freguesia, crianças com idades compreendidas entre os três os seis anos, não vão ser deslocados da freguesia e vão frequentar o Jardim de Infância do Centro Escolar, graças à abertura de uma das turmas que havia sido extinta de forma injustificada e irresponsável”, indicou Filipe Silva e nota enviada à imprensa.

A garantia foi dada pela Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares. Este desfecho, considerado com o único possível pelas gentes de Soutelo, representa para Filipe Silva “uma vitória clara para a freguesia e para o concelho”, assegurando aos infantes “acesso à educação com condições apropriadas para a formação integral dos jovens”.

“A Junta e a Assembleia de Freguesia de Soutelo deixam um agradecimento sentido a todos os pais que demonstraram um espírito solidário e adotaram desde o primeiro minuto uma postura altruísta que é de louvar e enaltecer”, refere o presidente da junta, endereçando votos de agradecimento “às instituições e movimentos políticos que se juntaram a esta causa, bem como à Câmara Municipal de Vila Verde, na pessoa do edil António Vilela, que encetou esforços para encontrar uma solução para este diferendo”.

“É também de saudar a postura dos diferentes partidos políticos – CDU, PSD e PS – que esqueceram divergências e manifestaram apoio a uma causa que, no fundo, diz respeito a todos nós, uma vez que era a qualidade da educação das nossas crianças que estava ‘em cima da mesa’”, destaca o presidente da junta.

Recorde-se que o descontentamento dos encarregados de educação e do executivo da Junta de Freguesia de Soutelo foi motivado o encerramento de duas turmas de Jardim de Infância (JI), que implicava o deslocamento de crianças de três e seis anos para fora de uma freguesia que perfazia o número mínimo de crianças exigido por lei e onde recentemente foi investido um milhão de euros na construção de um novo centro escolar, com dez novas salas dotadas de excelentes condições.

A situação motivou uma reunião entre os encarregados de educação, que resultou num abaixo assinado com mais de uma centena de assinaturas.

Comentários

topo