Destaque

Política: José Morais lamenta ausência de resposta de Vilela mas concorda com obras nas freguesias

Partilhe esta notícia!

José Morais, vereador do PS na Câmara de Vila Verde, revelou esta manhã que António Vilela não enviou qualquer resposta ao pedido de esclarecimentos a propósito da contratação de um novo empréstimo no valor de dois milhões de euros para, alegadamente, investir em obras estruturantes no concelho de Vila Verde.

O Partido Socialista concorda com a realização de tais obras no concelho. “São investimentos que o concelho de Vila Verde carece há mais de 20 anos e que em sucessivos mandatos têm vindo a ser propostas pelos eleitos do PS. Por isso mesmo, solicitou-se no dia de ontem um esclarecimento urgente quanto ao detalhe das mesmas, à memória descritiva, calendarização e custo das anunciadas obras nas vias rodoviárias, abastecimento de água e saneamento que a autarquia pretende levar a cabo com os dois Milhões de euros do empréstimo a contrair”, volta a recorda, em nota de imprensa, José Morais.

O também dirigente do PS lamenta que o edil “ainda não tenha respondido ao pedido de esclarecimento formulado”. “Estamos certos de que o fará até final do dia, credibilizando dessa forma a intenção de efetivamente realizar as obras, afastando as dúvidas demagógicas e eleitoralistas do anúncio das mesmas”, diz José Morais.

Para os socialistas, as obras deviam ser feitas com recurso à tesouraria municipal sem novos empréstimos”.

“Como acontece com outras autarquias que apresentam contas equilibradas, o Partido Socialista, mostra-se disponível para aprovar o novo empréstimo de dois milhões de euros. Para tal, o presidente deve assumir publicamente o compromisso de levar todos os procedimentos de concurso deste pacote de obras, financiadas pelo empréstimo, às reuniões de câmara, independentemente da modalidade e valor dos mesmos”, revela José Morais, acrescentando que “desta forma se garante transparência em todo o processo”.

“Só desta forma se garante que os dois milhões de euros do novo empréstimo serão efetivamente investidos no concelho de Vila Verde, com rigor, em obras estruturantes, e não gastos em políticas desgarradas, tal como tem acontecido nos últimos 20 anos de social-democracia”, remata Morais, que desafia Vilela para que “numa atitude de transparência e verdadeira democracia, aceda a levar, cada um dos procedimentos anunciados na tabela de obras, às reuniões de executivo camarário para conhecimento, análise e votação de todos”.

O Semanário V procura desde ontem obter resposta junta do presidente do município, mas até ao momento sem sucesso.

Comentários

topo