Braga

Associação Braga Ciclável diz “basta de atropelamentos”

Partilhe esta notícia!

A Associação Braga Ciclável (ABC) exige medidas urgentes para evitar atropelamentos constantes de ciclistas, isto depois de mais uma morte em Braga de um ciclista que circulava numa das via “rápidas” do centro da cidade.

Segundo comunicado enviado à imprensa, a ABC afirma que “não é admissível continuarem a acontecer, em plena cidade, acidentes como este”.

“Em momentos como este, ninguém sai a ganhar. Todos perdem. O desleixo das autoridades, os excessos dos condutores, a indiferença da sociedade em geral, saem caro, muito caro”, frisa aquela associação.

A ABC defende que “é urgente aplicar medidas efetivas de acalmia de trânsito”.

“É inaceitável matar alguém na estrada só porque se vai com mais pressa e se circula num veículo rápido e mais pesado. Cada condutor tem de ser responsabilizado pelos seus atos e pelas consequências que deles advêm, porque não há seguro algum que possa devolver as vidas roubadas a peões e a ciclistas como este que perdeu a vida no passado domingo”, destaca a ABC, que aponta graves excessos nas vias de Braga.

“As forças de segurança e autoridade têm também a responsabilidade de sensibilizar e fazer cumprir a lei. Sabemos que nas ruas e avenidas de Braga continuam a ser praticadas velocidades excessivas e que, infelizmente, ainda é prática corrente o perigosíssimo uso do telemóvel durante a condução”, faz referência em comunicado a ABC.

Esta associação pede à autarquia “remodelação da rede viária”.

“Que implemente mecanismos que aumentem a segurança para todos os utentes, independentemente da sua forma de locomoção. Não é concebível que a maior zona habitacional de Braga seja atravessada por uma via onde se praticam velocidades muito superiores a 50km/h, numa altura em que várias cidades europeias apostam em força no limite máximo de 30km/h como forma de aumentar a segurança. A acalmia de trânsito deve, pois, ser uma prioridade, para que acidentes como este não voltem a acontecer”, vaticina a ABC.

Comentários

topo