Destaque

CDS-PP de Vila Verde “pressiona” obra hidroagrícola de Sabariz/Cabanelas em Lisboa

Partilhe esta notícia!

O CDS-PP de Vila Verde, através do líder Paulo Marques, alerta para a urgência da obra de reabilitação e modernização da Rede de Rega do Aproveitamento Hidroagrícola de Sabariz e Cabanelas (RRAHSC), A situação levou mesmo a Lisboa Fernando Xavier, presidente da Cooperativa Agrícola de Vila Verde (CAViVer), que sensibilizou, junto do grupo parlamentar do CDS-PP, para a necessidade “urgente” da obra.

“Que se atalhe caminho, de uma vez por todas, nesta obra de grande potencial dinamizador da agricultura do concelho e uma fonte de receita para agricultores e populações de Vila Verde”, foi exigido e dando conta em nota de imprensa enviada pelo CDS-PP de Vila Verde.

Paulo Marques relembra que a reabilitação deste regadio “vai também ao encontro da estratégia definida pela DGADR que procura preservar o ambiente e assegurar a perenidade dos recursos naturais numa ótica de desenvolvimento sustentável”.

“É um projecto com um investimento de quase nove milhões de euros, já aprovado em sede de Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR 2020), que tem caráter prioritário, tendo tido classificação de muita alta (20) na urgência de intervenção. É uma das cinco obras com esta classificação, num universo de cerca de 96 candidaturas, abarca três grandes áreas: rede viária, rede drenagem e rede de rega. É uma obra considerada em projeto como sendo uma das melhores da Península Ibérica”, frisa Paulo Marques, que pede “urgência” na aceleração do processo.

Paulo Marques defende “a implementação de uma estratégia de desenvolvimento agrícola em Vila Verde”. “Consideramos vetor absolutamente central do desenvolvimento futuro do concelho, fizemos chegar ao grupo parlamentar do CDS um pedido de intervenção junto do governo, Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural e demais órgãos decisores, no sentido de se saber em que situação se encontra o processo, e para quando o arranque das obras dRRAHSC”, destacou ao V.

Este regadio, a décadas inoperacional, foi construído na década de 70, localizando-se ao longo das margens dos rios Homem e Cávado, beneficiando uma área de cerca de 580ha e com cerca de 611 beneficiários. A água para rega é derivada por um açude localizado ajusante da ponte de Caldelas e transportada por uma levada, “Canal Principal” numa extensão de 16,6km. Este canal recebia ainda um reforço de caudal de mais 5 açudes localizados nas ribeiras de Tojal, Pedome, Barge, Febros e Poriço, por meio de sete canais com origem nestes açudes com uma extensão de nove quilómetros.

“Apesar de ser uma zona com grande apetência e tradição de rega as consequência de décadas de abandono, do enorme crescimento urbano e uma vez que não foram criados mecanismos para a gestão e manutenção do regadio, nem tendo sido entregue o mesmo a uma junta de agricultores, este regadio sofreu uma rápida deterioração”, sublinha Paulo Marques.

 

 

Comentários

topo