Cultura Região

Ponte de Lima. Indignu com novo álbum nos 120 anos do Teatro Diogo Bernardes

Fernando André Silva

As comemorações dos 120 Anos do Teatro Diogo Bernardes, a decorrer até 19 de Setembro, continuam com um ritmo digno de destaque e o próximo fim-de- semana será marcado pela música, de sexta-feira a domingo.

Na sexta-feira, dia 27, a partir das 21:30, sobe ao palco uma das maiores referências do post-rock nacional – o projecto Indignu [lat.], formado por Afonso Dorido (guitarra e baixo), Graça Carvalho (violino, metalofone e sintetizadores), Helena Silva (violino), Jimmy Moom ( guitarra, baixo e metalofone), Mateus Nogueira (baixo, guitarra, piano) e Paulo Miranda (bateria).

Três anos depois da ópera-rock Odyssea, aclamado disco-livro que a Time Out Porto classificou como “obra de arte”, o colectivo post-rock barcelense está de regresso aos discos. Ophelia, a nova viagem, disponível em edição vinil de capa dupla, teve o seu primeiro avanço no Festival Bons Sons, em agosto passado e foi apresentada ao público em 31 de outubro no sítio oficial da banda.

Com o trabalho anterior, Indignu [do latim] marcou passagem de norte a sul do país, mas também por Espanha, França e Bélgica, onde deixou marca no Dunk!Festival, o maior festival post-rock da Europa. Mar do Norte, o single e avanço do disco, foi apresentado em videoclipe, gravado entre as encostas do mediterrâneo e o Cairo, no Egito.

Ophelia levanta o véu para a temática da bipolaridade humana, lembrando ao mesmo tempo que as maiores e mais desconcertantes viagens ocorrem, na maior parte das vezes, dentro de nós. Ophelia é uma mulher como que bipolar. Que transporta no peito dois mundos, dois hemisférios no seu cérebro, inderdependentes, mutuamente inclusivos. Quase que se de um lado “A/Norte/Este” fosse delicada, planante, emocional, fazendo o ouvinte viajar para cenários sensoriais, clássicos, contemplativos. E do outro lado “B/Sul/Oeste” fosse agitada, desconcertante negra, transportando para uma viagem sofrida e excêntrica.

Gravado nos meses de Agosto de 2015 e Fevereiro e Março de 2016, Ophelia foi produzido por Paulo Miranda, conhecido produtor e responsável por trabalhos de The Legendary Tiger Man, peixe :avião, Old Jerusalem, entre outros, no Amp Studios, em Viana do Castelo, e masterizado por Miguel Marques, nos Estúdios Sá da Bandeira, Porto, que masterizou também discos de Capitão Fausto, Keep Razors Sharp, Glockenwise e Filho da Mãe.

Bilhetes à venda (2,00€) e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt.

Comentários

Acerca do autor

Fernando André Silva

Fernando André Silva

Jornalista