Destaque Vila Verde

BVVV. Augusto “Tuta” Faria renúncia ao cargo de vice-presidente e denúncia “graves” irregularidades

Nuno Cerqueira
Escrito por Nuno Cerqueira

Augusto Faria, conhecido como “Tuta”, anunciou hoje, e segundo apurou o V, a renúncia ao cargo de vice-presidente da direção da Associação Humanitária (AH)  dos Bombeiros Voluntários de Vila Verde (BVVV). Este é o segundo caso, depois de um outro elemento ter anunciado a saída “por motivos pessoais”.

Na base desta decisão, e segundo documento a que o V teve acesso, estão, segundo Augusto Faria, “graves atropelos e anomalias” à gestão dos BVVV.

Os casos “Caridade”, “TVI”, a constante negação em respeitar as decisões aprovados e votadas em direção (caso da aprovação de um inquérito ao caso TVI que nunca avançou), a proibição de elementos da direção consultarem documentos.

“Ordem na secretaria de proibição de consulta ou entrega de documentos, dada pelo diretor Paulo Renato, aqui se incluindo, pasme-se, documentação diretamente relacionada com o exercício das competências de vice-Presidente que foram legalmente conferidas”, lê-se na carta enviado por “Tuta” ao presidente da Assembleia Geral da AHBVVV, Álvaro Santos.

Segundo Augusto Faria há um constante abuso de poder por parte de Carlos Braga e Paulo Renato Rocha e dá exemplos.

“Promoção abusiva da ida em jeito de passeio de elementos suplentes ao Congresso Nacional da Liga dos Bombeiros, despesas exorbitantes com o Jantar de Natal dos Bombeiros, resultantes da presença no evento de muita gente não enquadrável no que a direção decidira sobre a matéria, má gestão financeira da associação e recursos desta”, refere Augusto Faria, que aponta ainda “intolerável intromissão dos suplentes da direção nas reuniões que conduziram à não renovação da Comissão do Comandante Lomba”.

“Participando diretamente na discussão de um assunto que pela sua gravidade era da estrita competência dos diretores em funções. Aliás nem sei até que ponto tal não terá ferido de ilegalidade a decisão tomada. Note-se a talhe de foice, que a presença dos suplentes da direção junto desta, aconteceu na última Assembleia Geral”, diz.

Para Augusto Faria a situações referidas configuram em “abuso de poder e prepotência envolvendo particularmente o presidente da direção, Carlos Braga, e o vice-presidente Paulo Renato Rocha”.

“Há uma inqualificável desprezo pelas decisões colegiais, algumas delas subvertidas na sua execução prática”, remata, acrescentando que, reserva-se ao direito de “levar mais além o que de tão grave neste documento relatei em nome da defesa da honra e dignidade dos nossos bombeiros”.

Comentários

Acerca do autor

Nuno Cerqueira

Nuno Cerqueira

Jornalista - Carteira Profissional Nº CO/1250