Cultura Destaque Vila Verde

Festivais. Aí está o cartaz do Rock no Espeto 2017

Redação
Escrito por Redação

Depois de um verão com concertos em alguns dos maiores palcos da música nacional (Vodafone Paredes de Coura, Super Bock Super Rock…), os Stone Dead chegam a Vila Verde para serem os cabeças de cartaz do Rock no Espeto 2017. Ao trio de Alcobaça juntam-se ainda os Plane Ticket e os Paraguaii, bem como dois nomes vilaverdenses, a banda Wave Flow, liderada pelo músico Zé Pedro Ribeiro, e o DJ Pedro Ferreira, presença habitual nas atividades da Bullire. Um alinhamento jovem e irreverente na noite em que a energia eletrificante da música regressa ao coração do Minho para mostrar que ainda há rock depois do verão! O festival está marcado para o dia 14 de outubro e o recinto localiza-se nas imediações do Campo de Tiro de Vila Verde (perto do Estádio Cruz do Reguengo – Vilaverdense FC). Os concertos começam a partir das 22h00.

O Rock no Espeto é organizado pela associação vilaverdense Bullire, com o objetivo de ajudar a dinamizar e diversificar a agenda cultural da região e a dar palco aos valores locais. O festival, apoiado pelo Município de Vila Verde, abre com os Wave Flow, uma jovem banda vilaverdense de Rock’n Roll, e encerra com a atuação do DJ Pedro Ferreira. A Cerveja Artesanal Letra, produzida em Vila Verde, é a cerveja oficial do festival, e a comida fica a cargo do Restaurante do Campo de Tiro, localizado no recinto. A aposta na prata da casa é evidente, complementada com a presença de bandas em plena ascensão no panorama nacional da música.

Dos maiores palcos do país até Vila Verde

Os Stone Dead são os cabeças de cartaz. O coletivo de Alcobaça, com uma reputação sólida conquistada através de excelentes prestações em alguns dos maiores palcos da música nacional, chega a Vila Verde dar a conhecer o novo álbum. ‘Good Boys’ traz-nos “o ciclo eletrificante do rock, com a guitarra em punho a puxar na mesma direção que um baixo proeminente e detalhado com vários apontamentos de melodia”, uma sonoridade própria, “em que cada rasgo de guitarra joga com os rendilhados do baixo e com a catadupa incontível da bateria”.

“É melhor dançar a música do que pensá-la”

Paraguaii é “pop-psico-tropical-com-travo-a-qualquer-coisa-que-às-vezes-parece-blues-agreste” (Sérgio Felizardo, VICE 2016). Os Paraguaii não se sentem confortáveis com rótulos e dizem-nos que é melhor dançar a sua música do que pensá-la. Não será portanto de estranhar a forma pouco convencional como apresentam o novo álbum ‘Dream About The Things you Never Do’. “O mais que conseguirão é entrar a bordo, juntar-se-lhes nesta viagem por milhentos espaços, sejam os palpáveis (o baixo pulsante via Factory, uma guitarra eléctrica tropical e caliente), sejam os imaginados (sobretudo através dos sintetizadores e órgãos que, qual nave espacial, transferem a música dos Paraguaii para um sideral desconhecido)”, referem.

A força das guitarras dos 80s e 90s

Por sua vez, os Plane Ticket apresentam-nos o seu terceiro álbum, Navigator, “inspirado no trajecto sonoro da banda, formada em agosto de dois mil e onze, que cresceu a ouvir as guitarras dos anos noventa sem esquecer os sons que ecoaram ao longo dos anos oitenta”. O quarteto de Torres Vedras tem percorrido o país de Norte a Sul, com inúmeras solicitações que fazem desta banda uma forte presença no panorama do Rock nacional.

A abrir o festival temos o som jovem e irreverente dos Wave Flow. A banda vilaverdense é liderada pelo músico Zé Pedro Ribeiro, que se apresenta ao público num novo registo musical. Apesar da tenra idade, já não é nenhum novato nestas andanças e conta com muitas horas de experiência tanto no palco como no estúdio. Presença habitual nas atividades da Bullire – Associação Cultural de Vila Verde, o DJ Pedro Ferreira ficou com a responsabilidade de encerrar o Rock no Espeto 2017 e garantir que a energia contagiante da música continua fazer o recinto vibrar mesmo depois dos concertos.

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação