Braga Destaque

Inclusão. Jogos de tabuleiro “quebram barreiras” com refugiados em Braga

DR
Agência Lusa
Escrito por Agência Lusa

Uma associação de Braga desenvolveu um projeto para integração de refugiados recorrendo a jogos de tabuleiro, uma iniciativa que permitiu “quebrar barreiras”, criar “laços” entre jogadores, “desenvolver novas linguagens” e apresentar “um pouco o que é Portugal”.

Em entrevista à agência Lusa, Pedro Fernandes, um dos responsáveis pelo projeto, a cargo da Associação Cidade Curiosa, explicou que o projeto Integration Game foi desenvolvido em “dois momentos”. No primeiro, foi dada formação sobre jogos de tabuleiro a refugiados apoiados por instituições bracarenses e, no segundo, os migrantes foram postos em contacto com outros utentes de associações que prestam apoio a pessoas socialmente desfavorecidas.

Desta forma, destacou o responsável, conseguiu-se não só “facilitar a integração dos refugiados”, mas também a de outras pessoas com distintos tipos de problemas, havendo uma “troca muito positiva” de experiências e de realidades de vida.

“O objetivo passa por, recorrendo às vertentes de pedagogia, ensino, História e interação social dos jogos de tabuleiro, trabalhar com os refugiados alojados em Braga e que têm uma realidade de conflito e muito diferente da nossa, para conhecerem um pouco do que é Portugal, da nossa história, de forma a facilitar a sua integração na comunidade”, apontou.
A recetividade por parte dos refugiados foi, segundo Pedro Fernandes, “um caminho que se foi fazendo”.

“Já esperávamos alguns entraves, nomeadamente a língua, mas também alguma desconfiança. A primeira dificuldade foi conseguir tirá-los de casa. Não conseguíamos. Então, resolvemos levar até eles jovens em risco para partilharem experiências e, desta forma, conseguiu-se quebrar barreiras, criaram-se laços e desenvolveram-se novas linguagens”, explanou.

Para Pedro Fernandes, o recurso aos jogos de tabuleiro como meio de fomentar a interação entre comunidade e refugiados é uma “ideia que acaba por ser simples de aplicar e, por isso, eficaz”.

O tipo de jogos utilizado, explicou o responsável, “variou muito, mas tendo sempre uma vertente de pedagogia, apelo à criatividade, à tomada de decisões, resolução de problemas”.

O “projeto-piloto” do Integration Game decorreu em novembro, com os responsáveis a salientarem o “enorme sucesso” da iniciativa e a desejarem continuar com o trabalho.

“Funcionou muito bem e queremos dar continuidade ao projeto, levá-lo a outras áreas do país. Mas para isso também são precisos apoios”, apelou.

O Integration Game é um projeto patrocinado pela Erasmus Student Alumni Association (ESAA), no âmbito de uma iniciativa de promoção da integração de refugiados na Europa.

Comentários

Acerca do autor

Agência Lusa

Agência Lusa