Braga

Greve dos Professores. “Não se faz notar” numa das maiores escolas de Braga

ESCA (c) CM Braga
Agência Lusa
Escrito por Agência Lusa

A greve dos professores marcada para hoje “não se está a notar” numa das principais escolas de Braga, disse à Lusa a diretora daquele agrupamento escolar, com os alunos e pais a manifestarem “alivio e satisfação”.

Às 08:10, à porta da Escola Secundária Carlos Amarante, no centro de Braga, a azáfama era muita, como em qualquer dia de aulas, segundo constatou a Lusa no local, com alguns grupos de estudantes a anteciparem um “dia chato e normal de aulas”.

Os estudantes explicaram ter esperança que os docentes não aderiam ao protesto marcado pelos sindicatos para o dia de hoje, assim como os pais que trouxeram os filhos “como todos os dias”para as aulas, expectativas que se confirmaram.

“Normal, está a decorrer de forma normal. Os alunos estão nas aulas, estão alguns na sala do aluno, mas será uma turma. Não se nota mesmo. Creio que falta um professor no pavilhão, outro lá em cima, mas não se está a notar aqui”, adiantou a presidente do concelho diretivo Hortense Santos.

Para os alunos, a falta de adesão dos professores à greve é um “alívio”: “Já estamos um pouco cansados disto. Há greve, não há greve. Entendemos que eles [os professores] tenham os seus motivos, mas ao longo do ano já é um exagero de dias assim”, admitiu à Lusa João Carvalho, aluno do 11º ano.

Bruno Silva, aluno do 12º ano, explicou que “o mais chato é a incerteza de virmos e não haver aulas e depois a matéria ter de ser dada à pressa porque não há tempo e em ano de exames nacionais isto não é nada bom”.

Os “constrangimentos” da greve parece ser das “poucas coisas” que pais e adolescentes concordam: “Isto de nunca saber se os nossos filhos vão ou não ter aulas causa muitos problemas, nomeadamente não sabermos onde os deixar caso não tenham aulas”, apontou Ana Cunha, mãe de um aluno do 8º ano.

A greve de professores, que sob a forma de paralisações regionais percorreu todo o país, termina hoje, com a paralisação a afetar no quarto e último dia as escolas do norte e da região autónoma dos Açores.

A greve tem como principal motivação a falta de consenso sobre a contagem de todo o tempo de serviço, no processo de descongelamento das carreiras da Função Pública.

A tutela admite descongelar dois anos e dez meses de tempo de serviço aos docentes, mas estes não desistem de ver contabilizados os nove anos e quatro meses, embora admitam um processo faseado.

A greve foi convocada pelas dez estruturas sindicais de professores que assinaram a declaração de compromisso com o Governo, em novembro, entre as quais as duas federações – Federação Nacional de Educação (FNE) e Fenprof – e oito organizações mais pequenas.

Comentários

Acerca do autor

Agência Lusa

Agência Lusa