Braga

Trabalho. Greve dos funcionários fecha escolas em Braga

ESCA (c) CM Braga
Redação
Escrito por Redação

As aulas na Escola Secundária Carlos Amarante, uma das maiores escolas de Braga, vão ser suspensas a partir das 10h por falta de funcionários que “assegurem o normal funcionamento” das aulas, adiantou à Lusa fonte naquele estabelecimento de ensino.

“A escola abriu, mas foi decidido suspender as atividades letivas às 10h por falta de pessoal não docente para assegurar o normal funcionamento da escola”, assegurou a referida fonte.

Na Escola Básica André Soares, os portões abriram, as crianças estão com os pais à espera de notícias, mas os serviços da escola, como a secretaria, estão encerrados, segundo constatou a Lusa no local.

Já na Escola Secundária D. Maria II, “a maior parte do pessoal aderiu à greve”, explicou uma funcionária à Lusa, sendo que estão à porta da escola apenas “alguns, poucos, funcionários à civil” para informar os pais do porquê da greve.

“Os meninos e os pais merecem uma palavrinha”, explicou à Lusa uma das funcionárias que se deslocou à porta da escola.

Convocada pela Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) e Federação Nacional de Educação (FNE) da UGT, e o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Publicas e Sociais (da Federação dos Sindicatos da Função Pública – CGTP-IN).

O protesto visa “continuar a luta dos trabalhadores não docentes pela exigência do fim da precariedade e integração de todos os trabalhadores precários, a alteração da nova portaria de rácios, a dotação dos mapas de pessoal com número de trabalhadores efetivamente necessário que garanta a criação da carreira especial e o fim da municipalização, para garantir o bom funcionamento das escolas e a dignidade profissional dos trabalhadores”.

À porta das várias escolas, os alunos festejam, os pais reclamam: “Isto agora é assim semana sim, semana não. Já não podemos confiar na escola para deixar os nossos filhos”, lamentou à Lusa Ana Pereira Silva, mãe de uma aluna no 11º ano na Escola Carlos Amarante.

Maria Pinto, aluna do 4º.ano, lamenta caso não venha a ter aulas porque, explicou, “aprender é bom”.

“Prefiro estar na escola com os meus colegas do que ir para o trabalho com a minha mãe, lá não tenho nada para fazer”, lamentou.

0

0

0

0

Nacional
04 DE MAIO DE 2018
09:42
Lusa
0PARTILHAS
ENVIAR POR EMAIL
IMPRIMIR

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação