Destaque Vila Verde

Jardim de Infância de Atães. Pequeno no número. Gigante no talento

(c) FAS / Semanário V
Fernando André Silva

O Jardim de Infância de Atães, na UF do Vade, em Vila Verde, organizou uma exposição com os trabalhos realizados pelas crianças durante o ano letivo que agora finda, revelando autênticas obras-primas de trabalhos manuais amigos do ambiente. Passaram pelo certame, que durou três dias, mais de uma centena de pessoas, entre pais, alunos, educadores e membros da comunidade de Atães.

Inês Saldanha, responsável do Jardim de Infância (JI) de Atães explica que a ideia surgiu depois de os 26 alunos daquele JI terem visitado uma exposição alusiva aos descobrimentos. As crianças gostaram e quiseram fazer igual com os trabalhos que foram desenvolvendo ao longo do ano.

Por entre várias construções de madeira, como jangadas, castelos ou moinhos, salta à vista a obra-mestre a um canto, que foi feita com participação de todos alunos e também dos pais.

“Esta estufa está inserida no projeto Escola + Verde”, refere Inês Saldanha, apontando a construção para “pais e alunos”. “Os pais construiram a estrutura em madeira e as crianças fizeram esta sequência de cores para as cortinas. Foi um exercício de matemática, encontrar padrões para cores para depois colocarmos na estufa. Elas adoraram”, acrescenta.

(c) FAS / Semanário V

Para além dos diversos projetos, a horta do JI é outra “obra-prima”. Segundo a responsável, a horta não serve para autosubsistência da cozinha, embora quando haja eventos se utilize ingredientes de lá. “A horta serve para dar a conhecer aos alunos o processo do cultivo, semear, plantar, aprender a produzir, motivar as crianças para cuidar do ambiente”, explica.

Para além da exposição deste ano, salta ainda à vista duas obras de arte, uma logo na fachada principal do edifício, onde se lê em grande o nome das instalações. “Foi um trabalho feito por pais e crianças e que demorou algum tempo mas o resultado foi muito bom”, diz Inês. Outra é uma composição em mosaicos, na parte traseira do edificío. Ambos projetos estiveram inseridos no concurso Escola + Verde, em outros anos.

Carlos Cação, presidente da junta, realça a importância do evento. “É um orgulho ver um ano de trabalho assim exposto com tanta coisa bem feita por crianças tão novas. Quero parabenizar os intervenientes e o trabalho que o JI tem feito, nomeadamente as auxiliares, educadoras e pais, para ajudar a desenvolver estas atividades.

(c) FAS / Semanário V

Sobre o que de bom se faz no JI de Atães, Cação realça que “merece ser divulgado”. “Recentemente gravaram um vídeo chamado Heróis da Fruta, ficaram em quarto lugar a nível distrital”, desvenda. Cação aponta o JI de Atães como “a prova que numa zona afastada do centro do concelho também pode ter muita dinâmica e frescura de atividade que motiva crianças e pais”.

“Este tipo de iniciativa cria dinâmica, bem-estar e este serviço de proximidade como tanto temos lutado, em que queremos as crianças dentro das nossas freguesias, isso é importante, temos que apostar na educação, temos apostado nesse nível desde que sou presidente de Junta. É muito importante para as freguesias e é importante termos qualidade para que os pais disponibilizem os filhos para aqui estudarem”.

(c) FAS / Semanário V

Sobre as freguesias do Vade, o autarca aponta “serviços de proximidade” como principal aposta da junta. “Temos o Espaço Cidadão, o posto dos correios, temos apostado nos serviços de proximidade para colmatar a distância que temos dos centros urbanos. No fundo temos atratividade, estamos a querer criar infraestruturas para aproveitar o rio Vade, temos qualidade de vida, começamos a ter atratividade turística, temos serviços de proximidade, mas o motor de desenvolvimento desta zona seria o acesso rápido a Braga ou Vila Verde através da variante da EN 101. Só assim podemos fixar população e evoluir ainda mais”.

Comentários

Acerca do autor

Fernando André Silva

Fernando André Silva

Jornalista