Destaque Vila Verde

Agridoce regressa a Cabanelas com mais de 40 expositores

Apresentação Agridoce (c) Mariana Gomes / Semanário V
Mariana Gomes
Escrito por Mariana Gomes

De 30 de agosto a 2 de setembro, Cabanelas abre as portas a mais uma edição da feira de agricultura e doçaria, com um programa que inclui, entre outras coisas, atuações, jogos tradicionais, insufláveis e workshops.

Começou como um evento para angariar fundos para as obras do salão paroquial de Cabanelas, mas, de ano para ano, tem vindo a crescer significativamente, representando, hoje, um dos momentos altos da freguesia. O evento, que se insere na ‘Rota das colheitas’ do Município de Vila Verde, pretende mostrar o que de melhor a freguesia tem para oferecer.

O dia 31 de agosto abre a tradicional matança do porco e no sábado, dia 1 de setembro, os interessados podem participar num workshop de bonsais, seguido de um torneio de sueca e jogos tradicionais. A grande novidade é uma aula de zumba com espuma, às 19 horas. A noite reserva a famosa desfolhada de milho, a que se segue a atuação de Carlos Ribeiro e, com o objetivo de ir ao encontro de todas as faixas etárias, será organizada uma After Party com Dj e festa de espuma para os mais novos. O domingo abre com a eucaristia, e segue-se um passeio de motos 50c.c. e carros clássicos, a atuação de Tony Costa e, pelas 15 horas, o cortejo etnográfico. O evento encerra com o encontro de folclore, no final da tarde de domingo.

A 13.ª edição da Agridoce, conta com cerca de 45 expositores, dispostos pelo recinto, que irão mostrar artesanato, gastronomia, fumeiro, animais, doces e o célebre vinho doce. “Tudo o que se angaria na festa e tudo o que se vende, sejam os fumados, os doces, é tudo oferecido por pessoas da freguesia”, afirma Nuno Queirós, da organização, relembrando que “isto só é possível fazer com a ajuda de voluntários”. Este ano serão cerca de 160 pessoas a colaborar na organização do evento.

O Presidente da Junta, António Esquível, assegura que “é um evento que não dá rigorosamente prejuízo nenhum. O município não gasta dinheiro”. Segundo António Esquível, a Câmara de Vila Verde paga um dos grupos de rancho que se irá apresentar no dia 2 de setembro e fornece o palco. Em 12 anos, a feira tem conseguido “saldos positivos e significativos”.

Comentários

Acerca do autor

Mariana Gomes

Mariana Gomes

Jornalista