Destaque Vila Verde

José Morais (PS) fala em “cilada” por estar a “denunciar negociata do lixo” em Vila Verde

Redação
Escrito por Redação

José Morais, vereador do PS da Câmara de Vila Verde, denunciou hoje aquilo a que chama de preparação para “uma cilada” por parte de um gabinete da Câmara de Vila Verde em sequência de denúncias sobre a recolha de lixo no concelho.

O vereador dá a entender que estão a colocar caixotes recicláveis da sua empresa no meio de amontoados de lixo para o acusarem de ser responsável pelo crescendo de lixo no concelho.

Em comunicado, o socialista fala em “ameaças, intimidação e perseguição após críticas” sobre aquilo a que apelida de “negociata” e de “mau serviço” na recolha do lixo no concelho.

“Reiteradamente tenho tomado posições públicas sobre a “negociata” que foi a entrega da recolha de lixo em Vila Verde, por 5 milhões de euros, a uma empresa privada (ECOREDE / REDE AMBIENTE) e sobre o mau serviço que ela presta”, escreve o deputado, referindo que tem recebido “ameaças e sinais de intimidação de diversa forma”.

“Também me chegaram informações de em determinado gabinete camarário estaria a ser preparada uma cilada para me desacreditar”, diz o vereador, acrescentando que o presidente da Câmara de Vila Verde esteve ontem na rua da empresa da qual o vereador é proprietário para “apreciar um amontoado de cartões de embalagem junto ao contentor subterrâneo de resíduos sólidos urbanos”.

Segundo José Morais, a fiscalização da Câmara passou hoje de manhã na mesma rua e registou fotograficamente o “amontoado” que, segundo o vereador, se encontra lá “há duas semanas” sem ser recolhido.

“Talvez também seja apenas coincidência que esta ação conjugada de presidente da câmara/fiscalização na rua onde tenho a minha empresa aconteça logo depois de eu ter denunciado o péssimo serviço de recolha de lixo que foi prestado no mês de agosto, mas se com estas atitudes pretendem calar-me estão muito enganados”, diz José Morais, garantindo que recicla todo o lixo orgânico em casa e o reciclável na empresa.

“Tentamos ter um comportamento exemplar no tratamento do lixo, e se melhor não fazemos é porque os meios que estão ao dispor são insuficientes, problema, aliás, com que se debatem várias empresas e cidadãos”, diz José Morais, tornando pública uma guia de entrega de 280 quilos de lixo reciclável na Braval feita pela empresa no dia 22 de agosto.

“As tentativas de amedrontamento e de silenciamento das vozes incómodas e as formas mesquinhas de perseguição em nada dignificam quem exerce cargos públicos em nome do povo. Conhecemos as motivações que estão por trás destas atitudes persecutórias e muito em breve tudo ficará ainda mais claro. Estão muito enganados aqueles que com ameaças ou chantagem de qualquer tipo pensam que me conseguirão calar. Fui eleito para defender os anseios dos Vilaverdenses, para lutar pelo que acredito e não para estar subjugado a qualquer outro tipo de interesses. Nada nem ninguém me afastará deste rumo, mesmo que isso implique custos pessoais e/ou eleitorais”, finaliza.

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação