Destaque Vila Verde

Ciclovia de Vila Verde com custo próximo de 1 milhão de euros – população revoltada

sdr

A Construtora Estradas do Douro Lda, do Marco de Canaveses, foi a empresa escolhida pelo Município de Vila Verde para a construção da Ciclovia Urbana de Vila Verde. O contrato, que foi assinado a 22 de novembro do ano passado, tem previsão de conclusão no mesmo dia deste ano, já que o prazo legal para a obra é de 365 dias (ininterruptos) e tem um custo de 755.582,04€+IVA.

O projeto foi entregue à empresa Atelier, de Vila Verde, com Jorge Pereira – que cessou funções de gerente dessa empresa em março deste ano – a ser o representante legal a assinar o contrato, com o custo total perto dos 25 mil euros (20.250,00€+IVA). O projeto tem sido alvo de contestação pública maioritariamente pela população que mostra o seu desagrado nas redes sociais como a ciclovia está a ser construída.

Uma das primeiras vozes a insurgir-se contra os moldes da nova infraestrutura foi Carlos Braga, presidente dos Bombeiros Voluntários de Vila Verde, que afirmou ser uma “falta de respeito” aquando da indicação de que a estátua de homenagem ao bombeiro teria de ser removida do seu local para instalação de um ponto de estacionamento para bicicletas naquela ciclovia.

Já Álvaro Santos, antigo candidato à Câmara de Vila Verde e figura destacada na área da Educação a nível nacional veio esta semana a público tecer algumas “correções” ao traçado da nova ciclovia que atravessa o centro de Vila Verde. Perante estas declarações, Carlos Braga reforçou através das redes sociais: “Até que enfim, uma voz credível do nosso burgo, reconhece o mal que a Câmara Municipal está a fazer a Vila Verde”

Já no início das obras, e julho deste ano, o proprietário de um pequeno terreno junto à Casa de Alvelos, na Av. Dr. Francisco de Sá Carneiro, em Vila Verde, insatisfeito com as condições apresentadas pela Câmara de Vila Verde para passagem da ciclovia à face do terreno, plantou milho na berma, ainda dentro do próprio terreno, mas o suficiente para “boicotar” a passagem da ciclovia partilhada que já estaria construída em toda a extensão daquela rua, menos naqueles dez metros de terreno, obrigando os utentes a seguir pela estrada.

Nas redes sociais pode ler-se comentários como “sempre imaginei uma ciclovia junto ao rio com uma passagem pelos centros escolares e uma única via pelo centro da Vila!”, “não se devem esquecer também das pessoas com mobilidade reduzida, utilizadores de cadeira de rodas, trotinetes adpatadas”, “nada a dizer, só quem anda de bike entende que esta ciclovia não serve para nada”, “vê se bem que isto foi projetado por quem não sabe nem imagina o que é uma ciclovia”, “não arranjam as estradas é só buracos e fazem uma ciclovia onde não passa uma bicicleta pela outra”.

A contestação aumenta e ao Semanário V, um dos responsáveis pela obra garante que todas as regras estão a ser tidas em conta e que esta ciclovia também está a servir para reordenar algumas vias, como em frente ao quartel dos Bombeiros de Vila Verde, em que a via tinha largura para três carros em simultâneo, ficando agora “normalizada”, resposta que irritou o presidente dos Bombeiros que lembrou a saída das viaturas em emergência e o caos agora provocado nessas alturas.

Também alguns motoristas de autocarro estão insatisfeitos pela redução da via junto à EPATV, provocando agora o caos no trânsito sempre que os alunos saem ou entram em autocarros.

Contactado pelo V, nem Jorge Pereira nem António Vilela teceram qualquer comentário.

Comentários

Acerca do autor

Paulo Moreira Mesquita

Paulo Moreira Mesquita

Diretor Semanário V