Braga Cultura Destaque

Cultura. Romance de escritor bracarense faz sucesso em Lisboa

Foto: Mário Alexandre Borges
Redação
Escrito por Redação

Já foi apresentado em Lisboa o novo romance do premiado autor bracarense João Nuno Azambuja, com direito a chamada para entrevista à televisão nacional e presença de conceituadas figuras da literatura portuguesa.

Baseado em factos reais, o romance de João Nuno Azambuja, “Os provocadores de naufrágios”, está à venda nas livrarias de todo o país, e traz-nos a história de Klaus Kittel, um “alemão portuense” que combateu na Segunda Guerra Mundial.

Foto: Mário Alexandre Borges

O livro foi publicado pela “Guerra & Paz”, uma das mais prestigiadas editoras portuguesas, e conta pelo meio a intervenção de um também bracarense que possibilitou a fuga de Kittel à prisão de guerra, além da história da menina alemã, de nove anos de idade, que o soldado luso-alemão salvou de um ataque da aviação aliada em abril de 1945, em plena Alemanha. A menina nunca esqueceu o gesto do seu salvador. Quando cresceu acabou por se decidir a vir viver para o norte de Portugal, em 1965, onde ainda hoje tem descendentes.

Um romance escrito pela pena de uma das mais promissoras vozes das Letras portuguesas, vencedora do Prémio Literário UCCLA, sobre a qual disse o poeta Fernando Pinto do Amaral ser “capaz de exprimir um intenso sentido de revolta em face do mundo contemporâneo”.

“Um homem mergulhado numa época de pesadelo, de guerra, morte e ditaduras. Uma Europa destroçada, de onde surge uma história improvável, mas verdadeira, feita de viagens e fintas ao destino. Kittel foi sempre perseguido pela crueldade humana. Em criança, foi expulso de Portugal. Em adulto, viveu os bombardeamentos aliados e fugiu ao Exército Vermelho. Passou pela grande depressão, assistiu à ascensão de Hitler e discursou para a elite do Partido Nazi. Depois da guerra, é preso. Sobrevive aos campos de prisioneiros, onde milhares de homens encontraram a morte. Mas consegue fugir, com o que talvez seja uma misteriosa ajuda de Álvaro Cunhal.  Foi escravo, soldado, marido.”.

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação