Destaque Vila Verde

Obras públicas. Lançada primeira pedra na extensão de saúde do Vade

1.ª Pedra CS Vade (c) Luís Ribeiro / Semanário V
Redação
Escrito por Redação

Foi hoje lançada a primeira pedra em ato simbólico do início das obras de requalificação da antiga escola primária da Portela do Vade, onde funcionava até agora o centro de saúde local.

A cerimónia contou com a presença do presidente da Junta do Vade, Carlos Cação, que reforçou a ideia de transformar aquela extensão de saúde numa Unidade de Saúde Familiar, o que requer outro tipo de investimentos.

Também António Vilela, presidente da Câmara de Vila Verde, marcou presença, vincando a necessidade dos utentes em conhecerem melhores instalações de futuro naquele local.

Já o presidente da ARS Norte, Pimenta Marinho, assinalou que estas obras eram necessárias e que, em breve, tanto Pico de Regalados como Cervães também podem contar com obras de melhoramento.

Investimento a rondar os 300 mil euros

Este investimento permite àquela extensão dotar-se das condições exigidas pela ARS Norte para manter o funcionamento, servindo a população das freguesias do Vade, de Aboim da Nóbrega e Gondomar e ainda de uma parte de Barros [lugar de Cisão].

A obra tem previsão de duração de seis meses em investimento a rondar os 300 mil euros.

Durante o período de obras, todas as informações em relação a receitas e medicamentes são centralizadas no Espaço de Cidadão do Vade, onde os utentes podem renovar a medicação crónica sem necessidade de se deslocar ao centro de saúde.

Também serve o Espaço Cidadão para depositar ou levantar documentos administrativos que serão depois entregues em Vila Verde. Os utentes podem ainda utilizar o portal do SNS para renovar medicação ou marcar consulta.

Segundo Carlos Cação, o novo espaço, previsto para reabrir em março de 2019, terá dois médicos efetivos e a equipa de trabalho que já compunha a extensão atual, com serviço de enfermagem.

Já a solução temporária encontrada não será a que a junta mais “queria”, mas terá sido a possível, diz Cação.

“Asseguramos o transporte para Vila Verde e agilizamos questões burocráticas no Espaço Cidadão, esperando que tudo corra dentro da normalidade para que daqui a seis meses possamos inaugurar a requalificação da extensão”, assegura o autarca.

Mudança motivou abaixo-assinado e reações de vários partidos políticos

Esta mudança temporária para o centro de Vila Verde não caiu bem na população da Portela do Vade, com comerciantes a iniciarem um abaixo-assinado pedindo a deslocalização temporária sim, mas não para Vila Verde.

Segundo a população, seria viável alojar temporariamente os serviços de saúde no Pavilhão do Vade, evitando transtorno nas deslocações a pessoas mais idosas.

No entanto, a Câmara de Vila Verde não achou que se justificasse esse investimento para utilizar durante seis meses e recusou essa solução, que era aprovada pela ARS Norte, mediante algumas alterações.

O PS de Vila Verde, o Bloco de Esquerda de Braga e o Partido Comunista Português deslocaram-se mesmo até à União do Vade para manifestar apoio à população, criticando a decisão da Câmara em não apostar em solução temporária para os utentes que lhes permitisse evitar esta deslocação

Informações Loja do Cidadão do Vade [96 851 6986]

Centro de Saúde de Vila Verde [253 310 855]

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação