Vila Verde

Joaquim Martins confirma negócios com a Câmara enquanto presidente de junta

Joaquim Martins e António Vilela
Fernando André Silva

Joaquim Martins, presidente da Junta de Valbom S. Martinho/S. Pedro e Passô [PSD], confirmou que a empresa da qual era sócio fundador celebrou contratos com a Câmara de Vila Verde [PSD], em afronta à lei eleitoral das autarquias, que impede que proprietários de empresas com negócios com as autarquias exerçam cargos autárquicos.

Em declarações ao jornal O Vilaverdense, o autarca confirma que assinou contratos com a Câmara de Vila Verde, dizendo que “faturou cerca de 130 mil euros” no total. Nas mesmas declarações, o autarca nega que alguma vez tenha negociado ajustes diretos com a Câmara de Vila Verde, no entanto, é público pelo menos três contratos celebrado em regime de ajuste direto em junho de 2015 e abril de 2016, no valor de 23.300 euros e o outro de 178.000 euros , que envolve a firma de Joaquim Martins e a de Carlos Cação, autarca do Vade, em consórcio. Nas mesmas declarações, ao jornal O Vilaverdense, Joaquim Martins diz apenas ter faturado “cerca de 130 mil euros, sempre por concurso público”.

“Ao longo dos quatro anos, foi essa a verba faturada. Tratou-se sempre de processos ganhos em concurso público, por ter apresentado a melhor proposta, não por ajuste direto”, disse o autarca, acrescentando que “mesmo em consórcio com outras empresas, os serviços prestados não ultrapassaram os 180 mil euros, verba essa que é dividida pelas quatro empresas que compõem o referido consórcio”.

Todavia, e como já mencionado anteriormente, as duas firmas com o nome do autarca [Joaquim Gomes Martins e Joaquim Gomes Martins Unipessoal], entre 2013 e 2017, celebraram cinco contratos com a Câmara através de consórcio que ascendem aos 661.000 euros, existindo pelo menos três contratos em regime de ajuste direto que totalizam cerca de 300.000 euros.

Comentários

Acerca do autor

Fernando André Silva

Fernando André Silva

Jornalista