Cultura Vila Verde

3.ª Edição do COOLTOURALL trouxe a Vila Verde dois dias de ‘Artes para todos’

Redação
Escrito por Redação

A Bullire trouxe a Vila Verde dois dias repletos com as mais diversificadas manifestações artísticas. A 20 e 21 de outubro, o Cooltourall foi palco de exposições (pintura, fotografia, ilustração…), curtas-metragens, filmes, música, dança e debates/conversas sobre cultura e arte. Durante o dia, as iniciativas desenrolaram-se na Biblioteca Municipal Professor Machado Vilela. Ao serão de sábado, a Letraria, da Cerveja Artesanal Letra, recebeu os espetáculos de música ao vivo. Tudo com entrada gratuita. Para a Bullire, as artes são para todos e todos são bem-vindos ao mundo das artes. Os artistas estiveram no local e conversaram com o público sobre as peças em exposição, tornando as atividades mais dinâmicas, interativas e interessantes. O evento contou com a participação de vários talentos locais, que voltaram a provar que a prata da casa também tem valor!

No primeiro dia (20 de outubro), ao início da tarde, as atenções estavam viradas para a Biblioteca Municipal. O pontapé de saída deu-se com o TRIO ImPar, um conjunto de três jovens que apresentaram vários temas da música clássica. Um grupo que começou logo a cativar a atenção da plateia e que haveria de regressar mais duas vezes durante a tarde. Seguiu-se a inauguração da exposição de pintura do artista Rafael Ibarra, inspirada na sua infância e vivências no México, e a apresentação da exposição de fotografia (analógica e a preto e branco) do vilaverdense Luís Preto, que se debruça sobre o Norte rural de Portugal e lhe valeu Prémio Novo Talento Fnac Fotografia 2017. A meio da tarde, chegou a exibição da curta-metragem ‘Palmira’ com o retrato filmado de uma das protagonistas de ‘Mulheres da Raia’, um documentário que expõe as histórias de contrabando na fronteira do Minho com a Galiza realizado por Diana Gonçalves. Em todos os casos, os artistas estiveram no local a conversar com o público, criando momentos únicos para melhor conhecer os respetivos trabalhos e processos criativos.

Música e dança para encerrar o primeiro dia

‘Los Xicos’ foi o projeto artístico que se seguiu. Os jovens apresentaram um performance Hip-hop, criando um ambiente energético e cheio de boa disposição. Entretanto, o escultor Fernando Almeida entrou em cena para apresentar a sua perspetiva em relação aos caminhos da arte e alguns dos projetos que integrou no âmbito das Práticas Artísticas Colaborativas. Para fechar a tarde, as atenções voltaram-se para a disruptiva e inebriante performance de dança contemporânea ‘Isto tornou-se no meu texto’. A noite ficou reservada para dois momentos musicais distintos nas instalações da cervejaria Letraria. O primeiro foi protagonizado pela cantora Rita Franklin, de guitarra ao peito e com folk, blues e rock no reportório. Os espectadores estavam animados e aplaudiram calorosamente a atuação da jovem artista. À medida que o tempo avançou, o serão ganhou mais ritmo. Pisco apresentou um DJ Set que animou a casa com os sons pujantes da música eletrónica.

Das exposições ao Lindy-hop, passando por um combo de Jazz

No dia seguinte, o Cooltourall arrancou com a participação do vilaverdense João Ferreira que deu a conhecer o seu projeto de fotografia ‘A Arte do Pasteleiro’, uma reportagem que pretende alertar para a decadência da arte da pastelaria. Depois, destaque para duas artes contemporâneas, antes de uma conversa sobre o que é a arte contemporânea. O designer e ilustrador Manuel Sá também esteve na Biblioteca Municipal de Vila Verde para apresentar a sua exposição de posters e cartazes, bem como a sua evolução enquanto artista e profissional. Logo de seguida, tempo para mais um debate. ‘O que é a arte contemporânea?’ foi o tema da conversa conduzida pelos artistas Luís Coquenão e Rafael Ibarra. Por volta das 17h, os ritmos ficaram mais vibrantes com a aula de dança ‘Lindy-Hop’. À semelhança do que aconteceu no resto do evento, os espectadores não se limitaram a assistir e divertiram-se a aprender os movimentos de danças que fizeram grande furor durante os anos 30/40. O encerramento ficou a cargo do ‘Combo da Escola de Jazz de Braga’, um coletivo de jazz que chegou da capital do Minho para um espetáculo memorável.

Dois dias recheados de cultura e arte

Durante dois dias, a Biblioteca Municipal Prof. Machado Vilela recebeu ainda um programa permanente com quatro exposições artísticas e outras tantas exibições cinematográficas. Das 15h às 20h, foram muitas as pessoas que apreciaram os trabalhos de Carolina Aguiam (cerâmica), Luís Preto (fotografia), Manuel Sá (design e ilustração) e Rafael Ibarra (pintura). No que toca ao cinema, na tela apareceram os seguintes filmes: ‘Alfaião’ (filme de André A. Rodrigues), ‘Carga’ (filme de Luís Campos), ‘Marasmo (filme de Gonçalo Loureiro) e ‘Muletas’ (filmes de Luís Campos). Organizado pela Bullire, o COOLTOURALL cumpriu a missão de valorizar e divulgar o talento dos jovens artistas da região e proporcionar à população o contacto gratuito com a cultura e as artes.

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação