Braga Destaque

UMinho vence prémio pela ajuda a crianças com dificuldade na leitura

UMinho - Campus de Gualtar
Agência Lusa
Escrito por Agência Lusa

Uma equipa de investigadoras da Universidade do Minho venceu a primeira edição do Prémio Ler+, do Plano Nacional da Leitura, com a plataforma digital “Ainda estou a aprender”.

Uma equipa de investigadoras da Universidade do Minho venceu esta quarta-feira a primeira edição do Prémio Ler+, do Plano Nacional da Leitura, com a plataforma digital “Ainda estou a aprender”, criada para crianças com dificuldades na aprendizagem da leitura.

O Prémio Ler+, no valor de dez mil euros, foi criado pelo Plano Nacional da Leitura 2027 (PNL), com o objetivo de reconhecer o trabalho de personalidades ou entidades que melhor promovam hábitos de leitura ou produzam conhecimento na área.

Na primeira edição do prémio, esta quarta-feira anunciada na conferência anual do PNL, em Lisboa, foi reconhecido o trabalho de 18 investigadoras lideradas pela doutorada Iolanda Ribeiro, da Universidade do Minho.

De acesso livre, em www.aindaestouaprender.com, a plataforma pretende ajudar os alunos “a atingirem níveis superiores de leitura”, como explicou quarta-feira a investigadora Iolanda Ribeiro.

O projeto apresenta propostas de atividades para alunos do primeiro ciclo do ensino básico que tenham dificuldades na aprendizagem da leitura, mas também pode ser utilizado por professores, educadores, pais e encarregados de educação.

A plataforma serve ainda profissionais como psicólogos, terapeutas da fala, professores de educação especial e investigadores.

Iolanda Ribeiro recordou que o projeto foi criado com um baixo orçamento e que os dez mil euros do Prémio Ler+ serão canalizados para o pagamento do alojamento digital do projeto.

A plataforma foi construída no Centro de Investigação em Psicologia, com fundos nacionais e europeus, nomeadamente com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Para esta primeira edição do prémio, o PNL recebeu 60 candidaturas. O prémio é aberto a investigadores, agentes culturais, bibliotecas públicas, escolares ou do ensino superior, escolas, universidades, professores ou mediadores de leitura.

No regulamento lê-se que o objetivo deste prémio anual é “valorizar estudos ou projetos que contribuem para aumentar os hábitos e os índices de leitura da população, melhorar as competências e os níveis de literacia dos portugueses, promover o prazer e o gosto pela leitura e pela escrita”.

O PNL, criado em 2006 pelo Governo para melhorar os níveis de literacia e leitura dos portugueses, vive atualmente uma nova etapa, designando-se Plano Nacional de Leitura 2027, sendo comissariado por Teresa Calçada.

Comentários

Acerca do autor

Agência Lusa

Agência Lusa