Braga Destaque Vila Verde

Maximinos vai ter alternativa para automobilistas de Real, Frossos, Merelim e Prado

Largo de Maximinos (c) FAS / Semanário V
Fernando André Silva

A rotunda do Largo de Maximinos vai ser intervencionada de forma a reduzir o trânsito em horas de ponta na Rua do Caires, no sentido Estação da CP. A reconfiguração da rotunda cria a possibilidade de descer a Rua Lopes Gonçalves e ter acesso direto a uma nova via que está também a ser intervencionada e que ligará diretamente à Rua Nova da Estação. Com as duas obras concluídas, ganha-se uma alternativa no trânsito em Braga.

Os automobilistas com destino a Real, Frossos, Merelim ou Vila de Prado podem utilizar essa alternativa, evitando assim a sempre demorada travessia da Rua do Caires, quando vêm da baixa da cidade de Braga.

Largo de Maximinos (c) FAS / Semanário V

Para esse fim, foi na passada segunda-feira aprovado em reunião da Câmara de Braga um apoio a Maximinos para “precaver uma situação de derrocada de edifícios e muros onde passam muitos carros, e onde a estrada é muito estreita”. Essa intervenção vai permitir alargar a via naquele espaço, na Calçada de Cones, e ligar o mesmo à Rua Nova da Estação.

Outras duas intervenções anteriores já permitiram alargar a via em dois diferentes espaços, faltando apenas alargar o novo espaço e criar as condições para ligar à Rua Nova da Estação.

Em declarações ao Semanário V, o presidente da União de Freguesias de Maximinos, Sé e Cividade explica que a intervenção na rotunda no topo da Rua do Caires, conhecida como Largo de Maximinos, está já a ser alvo de estudo por parte da Câmara de Braga, e que deverá ser intervencionada em 2019. O autarca explica que essa será uma das principais medidas a tomar para descongestionar não só aquela rua como ainda a Rua de São Martinho [junto à BP], parte da Av. António Macedo e ainda a própria parte superior da Rua Nova da Estação.

Obra que irá deixar marcas

Luís Pedroso mostra local da terceira intervenção (c) FAS / Semanário V

Luís Pedroso fala mesmo numa “obra âncora, estruturante e que vai deixar marcas”. “Todos sabem que existem três manchas negras no trânsito na cidade. É a Rua do Caires, a zona de Infias e a Av. Frei Bartolomeu dos Mártires. Temos de fazer qualquer coisa porque qualquer dia é impossível andar em hora de ponta na cidade de Braga. Isto passa a ser um martírio. Ir para Prado, em hora de ponta, já é um martírio”, atira.

Rua do Caires c) FAS / Semanário V

“Temos as pessoas que vão à rotunda dos Lions para entrar na Av. António Macedo. Mais de 40% é para sair logo na primeira escapatória, para as traseiras do Pópulo. A maior parte dessas pessoas vai para as Parretas, para Merelim, Frossos, Real, e até para Prado porque a variante do Cávado também costuma estar congestionada. Nas horas de ponta é um martírio para estas pessoas”, aponta.

Saída da António Macedo para as traseiras do Pópulo (c) GoogleMaps

“Os automobilistas que vão por ali vão deixar de o fazer porque podem virar logo no largo de Maximinos, virar na Lopes Gonçalves, passar o viaduto da Maconde, passar o Penedo, que foi a primeira intervenção, até ao Tanque, que foi a nossa segunda intervenção, e passam a chegar à Rua Nova da Estação com a terceira intervenção que será feita”, diz.

“Temos prececão que 40% do trânsito é de quem mora em Merelim, Real, Frossos, Prado. Em vez de irem à rotunda da Estação para seguir pela Rua Nova ou para seguirem depois pela rotunda dos Lions e entrarem na António Macedo, os automobilistas vão poder chegar ao Largo de Maximinos e depois é sempre a andar”, diz.

Eliminação de “bico” no Largo de Maximinos

Quem circula na rotunda não tem acesso a esta rua. E vai passar a ter

Segundo Luís Pedroso, a eliminação do bico no Largo de Maximinos vai permitir a entrada direta na Rua Lopes Gonçalves, que dá acesso ao viaduto da Maconde. A reconfiguração da rotunda vai permitir que os automobilistas que circulem naquele largo possam futuramente beneficiar de uma entrada direta para as vias que foram intervencionadas, situadas após esse mesmo viaduto.

“Estão a fazer um estudo, na rotunda para garantir essa mudança. Neste momento não é possível porque esta saída tem um género de um bico que não permite virar para aquela rua. É preciso reconfigurar as saídas da rotunda. Neste momento, quem quiser seguir por essa rua e estiver na rotunda, tem de fazer a rotunda, vir à R. Padre Cruz e depois virar nas finanças para chegar ao viaduto. Em hora de ponta, fazer isso, por vezes são 20 minutos”, explica.

Luís Pedroso mostra local da terceira intervenção (c) FAS / Semanário V

Luís Pedroso quer tudo feito em 2019. “Penso que durante o próximo ano será tudo uma realidade”, vinca.

Comentários

Acerca do autor

Fernando André Silva

Fernando André Silva

Jornalista