Braga Destaque

Escola André Soares vai averiguar caso de alegada tentativa de rapto

Fernando André Silva

O distrito de Braga está em alvoroço devido a uma alegada “carrinha branca” com encapuçados que estarão a tentar raptar crianças à porta das escolas. Apesar de ser um “mito urbano” instalado em Portugal há vários anos, como noticiou na segunda-feira o Semanário V, esta terça-feira foi mesmo apresentada uma queixa junto da Polícia Judiciária de Braga.

Uma cidadã denunciou através das redes sociais uma alegada tentativa de rapto junto à Escola André Soares, em Braga. Segundo a progenitora, o enteado terá fugido de dois homens que saíram de uma carrinha branca e que o tentaram raptar.

O Semanário V contactou esta tarde de terça-feira a Escola André Soares que confirmou a queixa da encarregada de educação, revelando no entanto que “há apenas o relato de uma criança” sobre essa situação e que a mesma já foi reportada às autoridades competentes, negando haver vários relatos confirmados, como referido nas redes sociais.

Os progenitores da criança apresentaram queixa na Polícia Judiciária de Braga, na manhã desta terça-feira, por alegada tentativa de rapto. Fonte da PJ confirmou a queixa e disse ao V que o processo vai seguir os parâmetros normais e que será feita uma averiguação dos factos após as inquirições.

O Semanário V falou na segunda-feira com a autora da publicação que referiu que encetou uma chamada telefónica com a PSP a alertar para a situação. Falámos com as diversas entidades competentes, e nenhuma confirmou qualquer queixa nesse sentido. Ainda ao V, a progenitora confessou que não apresentou qualquer queixa no dia da alegada tentativa de rapto, mas que acreditava nos relatos da criança.

Crianças raptadas em Vila Verde

Já na tarde de segunda-feira, em Vila Verde, um grupo de três crianças esteve algumas horas sem aparecer em casa, depois das aulas, o que motivou que as famílias entrassem em contacto com a GNR. Terá sido daí que começaram os primeiros relatos de um alegado rapto.

No entanto, aquela guarda não teve necessidade de intervir pois as crianças foram rapidamente encontradas dentro de um supermercado Lidl, que abriu há poucos dias, em Vila Verde. Mas o rumor continuou chegando às redes sociais.

“Não há qualquer tentativa de rapto. Isso é tudo notícias falsas na internet”, disse fonte da GNR.

Também contactámos o comando distrital da GNR de Braga que nos informou que, até esta terça-feira, não foi apresentada qualquer queixa sobre raptos ou tentativas de rapto em todo o distrito.

Carrinha branca é “mito urbano” há vários anos

Desconhecendo-se a veracidade do relato da criança, que ficará a cargo da PJ, é um facto que a “carrinha branca a raptar crianças” é já um mito urbano consolidado em várias cidades de Portugal, como atestam várias casos desde 2013 que motivaram desmentidos das autoridades.

Uma dessas notícias, de 2013 apontava dois homens e uma mulher que seguiam numa carrinha branca e raptavam crianças em Santarém para depois vender os órgãos a uma clínica em Torres Novas. Esse boato motivou mesmo um comunicado da PSP de Santarém a desmentir toda a história. Já nesse ano as autoridades referiam que era um mito urbano bastante utilizado.

Já no início de 2017, em Tomar, uma foto de uma carrinha com a matrícula 17-06-QO correu na internet como sendo de um grupo de marroquinos que perseguiram uma jovem em Santarém. A Polícia de Segurança Pública garante que não houve nenhum caso do género e publicou um desmentido.

Em novembro de 2017, nova publicação nas redes sociais sobre homens que saíram de uma carrinha branca para tentar raptar uma menina de 10 anos, em Ovar. O caso chegou a ser investigado pela PJ, já que foi a criança que relatou a história. No entanto, aquela polícia depressa descobriu que se tratava de uma mentira. Segundo a PJ, a menina teria medo de fazer o percurso para a escola e inventou aquela história.

Já durante este mês de novembro, circularam relatos através das redes sociais que davam conta de tentativas de rapto associados a uma carrinha branca. Os relatos foram desmentidos pela GNR de Esposende.

Comentários

Acerca do autor

Fernando André Silva

Fernando André Silva

Jornalista