Destaque Vila Verde

Antigo ministro esteve na EPATV a celebrar Direitos Humanos

Manuel Caldeira Cabral / DR
Redação
Escrito por Redação

O anterior ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, apadrinhou hoje, dia 10 de dezembro, a sessão comemorativa dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, na Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV) com um alerta a novas ameaças vindas dos movimentos populistas.

“É um tema muito querido para nós e há muitos anos a EPATV inclui a cidadania e Voluntariado, o respeito por todos numa experiência viva da vossa capacidade de ser grandes cidadãos”, começou por afirmar aos alunos, o diretor-geral da escola.

Com “O Ensaio sobre a cegueira” na mão, no vigésimo aniversário da Entrega do Prémio Nobel da Literatura a José Saramago, João Luís Nogueira lembrou aos alunos que a “nossa maior arma, além de cidadãos competentes, é o voto. Tudo passa por aí e é um dever” que muito vão exercer pela primeira vez no próximo ano.

João Luís Nogueira / DR

“Em diversos países, assistimos ao ressurgimento de movimentos populistas contra os Direitos Humanos, semelhantes ao da década de 30 do século passado e nos conduziram à barbárie da II Guerra Mundial”, alertou Caldeira Cabral, na sua intervenção.

Depois de se mostrar, mais uma vez, “impressionado com o projeto da EPATV, a competência dos professores e o empenho dos alunos”, a ex-ministro da Economia e deputado eleito por Braga na Assembleia da República felicitou a Escola pela “sua responsabilidade social e uma visão de formação que vai para além das competências técnicas”.

Os Direitos Humanos são consensuais entre nós mas “ainda anão o são em outras regiões do planeta, como são os casos do acesso á saúde ou às pensões e instrução gratuita”.

A celebração dos Direitos Humanos é pertinente numa altura em que surgem movimentos “populistas e extremistas um pouco por todo o aldo. Eles andam por aí, a defender a pena de morte, a contestar o direito de asilo, etc. São movimento contra os direitos dos seres humanos. Devemos estar atentos

A sessão começou com a com saudação da Prof. Sandra Monteiro, Diretora Pedagógica da EPATV, a apresentar a Brochura sobre os Direitos Humanos, editada pela EPATV e um painel sobre os Direitos Humanos construído pelo Clube Europa que faz dela Escola Embaixadora do Parlamento Europeu.

O advogado António Barbosa, presidente da Delegação de Braga da Ordem, historiou um pouco a origem dos Direitos Humanos e a sua consagração há 70 anos, alertando o auditório para as suas novas violações através das novas tecnologias da Informação e investigações biotecnológicas.
Entre as novas violações digitais, António Barbosa destacou a difamação, a devassa privada, o uso ilícito de fotos, a presunção da inocência, o segredo de justiça.

Também a inteligência artificial cria novas violações dos Direitos Humanos, como a manipulação genética de bebés, ou a atribuição de personalidade legal a um robot – Sophia – numa Arábia que nega praticamente todos os direitos às mulheres sauditas.

Face a novas ameaças, o presidente da Delegação de Braga da Ordem dos Advogados defendeu a urgência na sua “efetivação para que não fiquem no papel”, pedindo aos alunos da EPATV que sejam “cidadãos ativos na defesa dos direitos porque a sua promoção é um dever de todos“.

João Luís Nogueira deu especial ênfase ao art. 26, segundo o qual a formação profissional deve ser generalizada e citou o programa 2020 que prevê a sua frequência por metade dos alunos do ensino secundário.

A EPATV ajuda a “concretizar os Direitos Humanos quando 84% dos seus alunos têm emprego com descontos para IRS (73%) ou seguem estudos superiores (11%). O futuro é vosso”, concluiu o diretor-geral.

Maria João Couto, do Contrato Local de Desenvolvimento Social de Vila Verde, e a representante da Câmara de Vila Verde, Alexandrina Cerqueira encerraram as intervenções com um pequeno vídeo alusivo aos 70 anos da Declaração aprovada pela ONU, em 10 de dezembro de 1948.

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação