Braga

PSD quer manter parceria privada no Hospital de Braga

Redação
Escrito por Redação

O PSD pede ao Governo que deixe de lado a “ideologia” e se concentre nos doentes. É a reação dos social-democratas ao anúncio feito pela ministra da Saúde, que admitiu que o Hospital de Braga pode voltar à esfera pública, ao não ser prolongado o Contrato de Gestão da parceria público-privada com a José de Mello Saúde.

Adão Silva, vice-presidente do grupo parlamentar do PSD, admite que os social-democratas nada sabem sobre as contas e o investimento necessário para prolongar a parceria, mas defende o trabalho feito pelo hospital durante o período em que vigorou a concessão.

“Não tenho noção das contas, nem vou entrar por ai, mas se funciona bem”, disse o deputado, sublinhando que “várias entidades independentes, como é o caso da Entidade Reguladora da Saúde, dizem que funciona bem”.

No parlamento, em declarações aos jornalistas, o deputado do PSD deixou ainda um sublinhado: “Que se deixe funcionar o que funciona bem, que não se meta ideologia no meio de um processo, porque a ideologia não cura doentes”.

“Sobretudo, que qualquer alteração que se venha a fazer seja feita com transparência, para que todos os cidadãos saibam todas as alterações que se fazem”, insistiu Adão Silva.

Na quarta-feira, a ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou que “houve já uma indisponibilidade definitiva do parceiro privado para continuar a operar”, seguindo-se a garantia do grupo José de Mello Saúde de que sempre esteve “disponível para o prolongamento do contrato” dentro do atual modelo contratual, mas “desde que esclarecidas as condições de execução do contrato e de sustentabilidade financeira da parceria”.

Sobre a questão financeira, Adão Silva, vice-presidente do grupo parlamentar do PSD, espera que o Governo “encontre as melhores soluções” para que o hospital “continue a ser um bom equipamento do Serviço Nacional de Saúde”.

Até ao momento, não foi lançado um novo concurso para a gestão público-privada do Hospital de Braga e a ministra da Saúde adianta que não estaria finalizado até agosto de 2019.

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação