Região

Ponte da Barca. Candidato do PS integra executivo PSD e arrisca expulsão do partido

Redação
Escrito por Redação

A concelhia do PS de Ponte da Barca decidiu, hoje, por unanimidade, propor ao conselho de jurisdição da federação distrital a expulsão do vereador do partido convidado a integrar o executivo camarário liderado pelo PSD.

Em declarações à agência Lusa no final de uma reunião extraordinária daquele órgão, a presidente, Sílvia Torres, explicou que a decisão surge na sequência da proposta do secretariado local do PS de retirada da confiança política ao vereador do PS, Inocêncio Araújo.

“A comissão política concelhia decidiu, por unanimidade, retirar a confiança política ao vereador e solicitar ao conselho de jurisdição a sua expulsão do partido”, afirmou Sílvia Torres.

A responsável acrescentou que as decisões hoje tomadas, unanimemente, pelos 15 elementos que compõe aquele órgão partidário “vão ser comunicadas ao visado e às instâncias onde representa o partido, a Câmara e Assembleia Municipal de Ponte da Barca”.

“Era o único caminho que restava à comissão política concelhia face aos acontecimentos que se vinham avolumando desde há um ano a esta parte e que culminaram com o convite feito ao vereador Inocêncio Araújo para integrar o executivo de maioria PSD”, sustentou.

A proposta de retirada de confiança política ao vereador do PS, a que a agência Lusa teve acesso na quinta-feira, foi aprovada, por unanimidade, pelo secretariado do partido no dia 22.

A Lusa tentou, na quinta-feira, obter uma reação de Inocêncio Araújo, mas sem sucesso.

Na semana passada, em conferência de imprensa, o presidente social-democrata de Câmara de Ponte da Barca, Augusto Marinho, anunciou “o reforço da equipa executiva com a atribuição de meio tempo ao vereador Inocêncio Araújo”.

Augusto Marinho realçou a “atitude de proatividade, colaboração e disponibilidade” que Inocêncio Araújo “sempre” manifestou ao longo do atual mandato, “contribuindo ativamente para um debate sério e responsável, apresentando formal e informalmente propostas para a resolução dos problemas do concelho”.

Em novembro, Inocêncio Araújo viabilizou o orçamento da maioria PSD para 2019. Dos quatro elementos que compõem a maioria social-democrata naquele município do Alto Minho, apenas o presidente e um vereador votaram favoravelmente.

Além da abstenção da vice-presidente da autarquia, Maria José Gonçalves, que alegou “não ter sido envolvida” na sua elaboração decidida “unilateralmente” pelo presidente da autarquia, um outro vereador do PSD não marcou presença na reunião camarária que aprovou o documento, por se encontrar em gozo de férias.

O secretariado do PS de Ponte da Barca alega ser “inaceitável para a imagem e bom nome do partido correr a ideia junto da população de que a crise política no seio do executivo PSD foi resolvida através da compra do vereador da oposição”.

“É hoje evidente que, no exercício do mandato autárquico, Inocêncio Araújo criou na opinião pública a desconfiança de utilização do seu cargo de vereador para obtenção de vantagens pessoais como funcionário da Câmara Municipal de Ponte da Barca”, sustenta o partido.

Inocêncio Araújo, adjunto do anterior presidente socialista da Câmara de Ponte da Barca, Vassalo Abreu, que não se recandidatou nas últimas eleições por ter atingido o limite de mandatos, encabeçou a lista do PS às autárquicas de 2017.

Na altura, o PS apontou a “larga experiência” de Inocêncio Araújo, de 41 anos, classificando-o como “um homem de convicções firmes e princípios sólidos”.

Inocêncio Araújo integrou, durante 12 anos, os executivos do PS e desempenhou, durante três mandatos, as funções de presidente da Junta de Freguesia de Entre Ambos-os-Rios.

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação