Destaque País

Chuva de estrelas, eclipse lunar e “super lua de sangue”. Assim estará o céu em janeiro

Foto: Kenneth Brandon
Redação
Escrito por Redação

A presença da Lua ligeiramente à direita de Vénus sinaliza o final da primeira madrugada do ano. Na madrugada seguinte, a Lua terá passado para a esquerda deste planeta.

Por estes dias Saturno está em conjunção com o Sol, i.e. na sua direção, só sendo possível observa-lo ao amanhecer até cerca do ultimo terço do mês. Ao invés disso Mercúrio só será visto ao amanhecer durante o primeiro terço de janeiro.

Na madrugada de dia 3, iremos encontrar a Lua ligeiramente a norte de Júpiter. Neste mesmo dia a Terra atinge o ponto da sua órbita mais próxima do Sol: o periélio. Apesar disso, como o Hemisfério Norte está voltado na direção oposta à do Sol, em Portugal estes dias são mais curtos e frios do que durante na fase de maior afastamento.

Uma madrugada depois, dar-se-á o pico de atividade da chuva de meteoros das Quadrântidas. Estes restos do antigo cometa 2003 EH1 parecerão irradiar de uma parte do céu (o radiante) que pertencia à constelação Quadrans Muralis. Esta constelação não aparece nas cartas do céu modernas. Ao invés disso podemos usar a constelação do Boieiro como referência. Em condições de observação ideais seria possível observar quatro dezenas de meteoros por hora. Infelizmente a proliferação de fontes de poluição luminosa um pouco por todo o lado terá um grande impacto sobre o número de objetos que realmente serão observados.

A Lua Nova chegará na madrugada de dia 6. A passagem da Lua em frente do Sol dará lugar a um eclipse solar parcial que apenas será visível no Nordeste Asiático e no norte do Oceano Pacífico. O planeta Vénus atingirá a sua maior elongação (i.e., afastamento) para oeste relativamente ao Sol nessa mesma madrugada.

Ao início da noite de dia 12, a Lua será vista ligeiramente a sul de Marte, planeta que por esta altura se situa na constelação dos Peixes. Dois dias depois terá lugar o quarto crescente. A seu turno, na noite de dia 17, a Lua já estará junto a Aldebarã, o olho da constelação do Touro.

A Lua cheia na madrugada dia 21 dará origem a um eclipse lunar com início às 2 horas 35 minutos (hora continental) e máximo às 5 horas e 12 minutos. Este evento terminará muito perto do raiar da aurora. Por ocorrer poucas horas antes da Lua atingir o seu perigeu (ponto da órbita de maior aproximação à Terra) esta efeméride irá coincidir com uma Super Lua.

Na madrugada de dia 23, a Lua situar-se-á ao pé de Régulo, o coração do Leão. Já aquando do quarto minguante de dia 27, a Lua será vista ao lado da estrela Espiga da constelação da Virgem.

Ao final da noite de dia 30 para 31 iremos encontrar a Lua junto aos planetas Júpiter e Vénus. Mas enquanto ao início do mês o cruzamento entre a Lua e Vénus deu-se na constelação da Balança, por esta altura já terão passado pela constelação do Escorpião.

Artigo escrito pelo asgtrónomo Fernando B. Figueiredo ao abrigo do projeto Ciência Viva na Imprensa Regional

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação