Braga Destaque

Ninho de asiáticas passa verão nas costas de edifício de saúde pública em Braga

Ninho em Sequeira © FAS / Semanário V
Fernando André Silva

Um ninho ativo de vespas-asiáticas está no topo de uma árvore, em Sequeira, Braga, desde o início do verão de 2018, em terreno da Cooperativa Agrícola do Alto Cávado (CAVAGRI), que tem os escritórios do departamento de sanidade animal da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) a poucos metros, no edifício situado no mesmo terreno.

Contactado pelo Semanário V, o departamento de sanidade animal, que funciona naquele edifício, explica que o ninho foi detetado ainda durante o mês de junho, e que a DGAV terá exposto o caso à Proteção Civil municipal. No entanto, em janeiro de 2019, o ninho ainda lá está. E as vespas também.

Explica a mesma fonte que as competências relativamente à sanidade animal e perigos que os animais podem representar para a saúde pública está restrito aos vários tipos de gado, e não de abelhas ou vespas, não podendo a CAVAGRI intervir diretamente naquela situação.

Explica que não possuem autoridade para eliminar o ninho e que o mesmo terá de ser feito pelos serviços municipais. Explica ainda que a localização do ninho deve-se a um enxame de abelhas situado em um muro, no mesmo terreno, detetado em maio último.

Como a vespa-asiática alimenta-se principalmente do tórax de abelhas, as mesmas constroem ninhos num raio de um quilómetro de colmeias ou de enxames selvagens de abelhas, como é o caso em Sequeira.

Mas este não é caso isolado. Dentro da própria cidade de Braga, há vários ninhos ainda ativos deixados a nu na sequência da queda das folhas das árvores.

Junto ao Mc’Donalds e à Universidade do Minho, um ninho de vespa-asiática espreita do alto de uma árvore despida, com vista não só para aqueles dois edifícios mas também para o Hotel Meliá.

Também na freguesia de Real, dentro da cidade, um ninho de asiática espreita a 200 metros da estação de comboios.

Já no parque de estacionamento do Estádio Municipal de Braga, outro ninho tem sido alvo da curiosidade dos bracarenses, sendo o mesmo amplamente divulgado através das redes sociais ao longo dos últimos dias.

A Associação Ambientalista QUERCUS deixou o alerta, em 2018, para a “ineficácia” do “Plano de Ação para a Vigilância e Controlo da Vespa velutina em Portugal”.

Criado por um grupo de trabalho que reuniu a já mencionada DGAV, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, tem sido várias vezes criticado pela QUERCUS.

“É um plano de ação que, na prática, não existe”, referiu no passado verão o presidente da associação ambientalista.

A destruição dos ninhos de velutina no concelho de Braga está a cargo da Companhia de Bombeiros Sapadores de Braga que priorizam os casos mais urgentes, como ninhos em postes de eletricidade, varandas de apartamentos ou chaminés.

Ainda durante o mês de outubro, esta equipa eliminou um ninho de velutina situado no centro da cidade, por se encontrar a poucos metros de um parque infantil.

Estima-se que, durante o ano de 2018, aquela companhia eliminou perto de uma centena de ninhos desta espécie, disse fonte daquela corporação.

Comentários

Acerca do autor

Fernando André Silva

Fernando André Silva

Jornalista

Deixar um comentário