Vila Verde

António Cerqueira já não é comandante dos Bombeiros de Braga

Capitão Ferreira e comandante António Cerqueira (c) FAS / Semanário V
Fernando André Silva

António Cerqueira, comandante dos Bombeiros Voluntários de Braga nos últimos 15 anos, abandonou o lugar esta semana, deixando aquela corporação sem qualquer elemento de comando.

Ao Semanário V, o anterior comandante, que cumpriu três comissões de cinco anos cada, explica que esta não foi uma decisão tomada de ânimo leve, mas explica que é a melhor forma de sair daquela corporação de voluntários.

Cerqueira já sabia que a atual direção, liderada pelo capitão do exército António Ferreira, tem intenções de renovar o comando, através da contratação de Alberto Lomba, de Vila Verde.

“Não queria ser empurrado pela direção quando chegasse a altura de saber se existia renovação ou não, e também não queria estar a renovar uma comissão por cinco anos sabendo que daqui a dois anos tinha de abandonar por questões de idade”, aponta Cerqueira, de 63 anos, explicando que “a lei impede que se continue nessas funções depois dos 65”.

“Desta forma saio pelo meu próprio pé e passo a integrar o quadro de honra da associação”, diz, explicando que era seu objetivo “fazer uma passagem tranquila”. No entanto, Cerqueira refere que “a direção atrapalhou tudo”.

“Eu expliquei à direção que quando a questão que Alberto Lomba tem em Vila Verde estivesse resolvida, só tinham de me avisar que eu apresentaria a minha demissão. Não quiseram, eu agora deixei o comando, e ficam com um problema sério entre mãos”, explica ao V.

A questão que António Cerqueira aponta é o litígio entre José Alberto Lomba, que ainda é o atual comandante de Vila Verde, e a direção dos Bombeiros de Vila Verde, que não renovou a comissão deste último no final de 2016, na sequência do “caso TVI”.

Enquanto esse litígio não for resolvido, Alberto Lomba não pode exercer funções de comandante em Braga por ainda ser o comandante em Vila Verde.

“Preferiram andar a queimar as pessoas em praça pública e agora é o que é”, salienta Cerqueira, referindo-se a notícias vindas a público, em dezembro, da entrada de Lomba nos BVB durante este mês de janeiro.

“Acho que vou morrer antes de ver o quartel novo em Braga”

António Cerqueira faz um balanço muito positivo dos últimos 15 anos como comandante. Explica que apostou, sobretudo, na formação de bombeiros e na criação de condições para promoções de operacionais a bombeiros de “segunda” e “primeira” categoria. Cerqueira criou ainda o posto de sub-chefe naquela corporação.

“Quando cheguei não tinhamos essa possibilidade mas agora, em Braga, há condições para se promover bombeiros”, explica.

Questionado sobre a forma como sai, Cerqueira revela não guardar mágoa. “Saio contente porque sinto que é uma missão cumprida”, aponta, dizendo que “não se pode pedir mais a um voluntário do que a qualidade do seu desempenho, e eu sei que dei tudo o que podia e o que não podia, nunca faltei a nada e estive sempre em todas as situações para o qual fui solicitado”, aponta, revelando que a única mágoa é não ter visto o quartel renovado ou mesmo um quartel novo para aquela corporação. “Acho que ainda vou morrer antes de construírem um novo quartel”, brinca.

“Sobre o futuro, a história falará”, vinca.

Comentários

Acerca do autor

Fernando André Silva

Fernando André Silva

Jornalista