Amares Destaque

Câmara de Amares vai entregar o serviço de recolha de lixo a uma empresa privada

© CM Amares
Mariana Gomes
Escrito por Mariana Gomes

A Câmara de Amares aprovou, em reunião do executivo municipal, a abertura de um concurso internacional para a prestação de serviços de recolha de resíduos sólidos na área do concelho, passsando a recolha de resíduos sólidos urbanos a ser efetuada por uma empresa privada.

A entrega da recolha do lixo a privados foi justificada pelo presidente da Câmara de Amares, Manuel Moreira, com a “escassez de meios humanos e técnicos para assegurar o serviço com a qualidade e eficiência exigidas”.

A Autarquia refere, ainda, outros constrangimentos, como a a frota envelhecida de camiões, que tem implicado reparações frequentes e elevados consumos de combustível, e a falta de meios para a higienização obrigatória dos contentores e o elevado número de lixo colocado como indiferenciado.

O custo com a recolha de lixo no concelho de Amares foi superior a 2 milhões de euros, entre os anos de 2013 e 2017, sendo que os padrões de qualidade ambiental pretendidos não foram atingidos. Com a prestação de serviços de recolha de lixo, o município afirma que irá conseguir um serviço mais completo e abrangente, com um menor custo. A empresa que vencer o concurso terá de assegurar a recolha do lixo, no mínimo três vezes por semana, entre as 21 e as 12 horas.

As viaturas terão que ser novas e exclusivas ao Município de Amares e, no mínimo, a empresa terá de alocar três viaturas de recolha de resíduos para o concelho de Amares. Além disso, nos primeiros dois meses do contrato, terá que instalar 250 contentores novos, de 800 litros de capacidade. A manutenção de equipamento de deposição de resíduos urbanos será, ainda, da responsabilidade da empresa, assim como a lavagem, desinfeção e desodorização de todos os equipamentos.

A autarquia assegura que a prestação de serviços para a recolha de lixo foi a melhor solução encontrada perante os problemas atuais e face às metas comunitárias a atingir no futuro. De acordo com Manuel Moreira, foram “analisados vários estudos e ponderamos todas as hipóteses para encontrar a melhor solução, tendo chegado à conclusão que a prestação de serviços é a solução mais viável”.

Ao nível dos valores da reciclagem, o autarca afirma que continuarão a ser mobilizados todos os esforços, quer ao nível da sensibilização das populações, quer junto da Braval, no sentido de serem colocados mais ecopontos.

 

Comentários

Acerca do autor

Mariana Gomes

Mariana Gomes

Jornalista