Vila Verde

Rui Rio esteve em Vila Verde e garante luta “taco a taco” nas eleições

© Facebook de Rui Silva
Redação
Escrito por Redação

Rui Rio esteve este sábado em Vila Verde para a tomada de posse dos novos órgãos concelhios do PSD. Para o líder dos sociais-democratas, os portugueses querem uma “alternativa”, que “só o PSD” está em condições de oferecer.

Em jantar que decorreu em Gême, Rio aplaudiu a tomada de posse do novo presidente da concelhia, António Vilela, que sucede a Rui Silva, deputado na AR e apoiante convicto de Rui Rio dentro da estrutura laranja.

Em discurso perante 400 militantes e simpatizantes do partido no concelho de Vila Verde, Rio garantiu que o PSD está em condições de disputar “taco a taco” com o PS as eleições europeias e legislativas. Falou ainda em “política de ilusionismo” do Governo.

Rui Rio, disse que a melhor prova do descontentamento dos portugueses é a “onda de greves de praticamente todas as classes profissionais”.

“Se houvesse contentamento com este Governo, não só não ouvíamos o que ouvimos [na rua], como não tínhamos esta onda de greves, umas atrás das outras, de praticamente todas as classes profissionais”, analisou.

“Estou convencido que o PSD tem efectivamente condições de taco a taco disputar as eleições com o PS e provavelmente conseguir mesmo ganhar as eleições ao PS, porque é esse o desejo que eu sinto na rua”, acrescentou.

“Se nós formos à rua falar com as pessoas, e não é preciso falar com aqueles que têm estado permanentemente em greve, nós temos neste momento uma noção exacta que os portugueses gostavam de ter oportunidade de ter um Governo diferente e um Governo melhor”, disse ainda.

“Ou nós [PSD] oferecemos essa alternativa aos portugueses ou os portugueses, mesmo não querendo, vão ter de continuar com o Partido Socialista”, sublinhou.

Rui Rio acusou o atual Governo de ser “exímio em vender gato por lebre” e enumerou uma série de exemplos, como a anunciada transferência do Infarmed para o Porto ou a “expectativa” que criou juntos dos professores em relação à contagem integral do tempo de serviço.

“Mas o principal engano é a forma como anuncia as medidas”, vincou, mencionando temas como a descida do IVA da electricidade, a contagem das horas extraordinárias para o IRS, a descida da dívida pública ou o caso da Caixa Geral de Depósitos.

O jantar em Vila Verde contou ainda com discursos de António Vilela, José Manuel Fernandes e de Adriano Ramos, em representação da JSD.

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação