Braga Destaque

Braga cria dispositivo turístico para pessoas com deficiência auditiva, visual e motora

© CM Braga
Redação
Escrito por Redação

Braga apresentou, esta quarta-feira, o projeto “Go More” para pessoas portadoras de deficiência auditiva, visual e motora, com informação sobre alguns locais de interesse de Braga.

O projeto, apoiado pelo Turismo do Porto e Norte de Portugal em 85%, resultou na criação de um dispositivo similar a um smartphone chamado “Swip”, com informações, em formato escrito e áudio, de 25 locais/monumentos em Braga, como a Igreja dos Congregados, o Santuário do Bom Jesus ou o Arco da Porta Nova, bem como Igreja do Pópulo, Palácio dos Biscaínhos, Praça do Município, Jardim de Santa Bárbara, Lao do Paço, Sé Catedral, Igreja de S. Tiago, Nossa Senhora da Torre, Capela de S. Bentinho, Igreja de S. Marcos, Palácio do Raio, Igreja De Santa Cruz, Casa dos Crivos, Arcada, Termas Romanas da Cividade, Fonte do Idolo, Rua da Violinha, Sameiro, Domus da Escola Velha da Sé e Capela e Largo de S. João da Ponte.

Com este equipamento, o turista portador de deficiência percorre os locais e fica a conhecer a história dos mesmos, nos idiomas português, inglês e castelhano.

Segundo o presidente da união de freguesias de Maximinos, Sé e Cividade, o projeto custou quase 200 mil euros e surgiu de uma candidatura a um programa do Turismo de Portugal, que financiou o “Go More” entre 85 a 90% do valor.

Luís Pedroso sublinhou que a iniciativa é um pontapé de saída na vontade de pensar um turismo mais inclusivo em Braga. O autarca destacou o pioneirismo do projeto e demonstrou o desejo em aumentar as áreas em que o dispositivo “Swip” actua, nomeadamente nos TUB.

O vereador Altino Bessa assinalou o pioneirismo da UF de Maximinos, Sé e Cividade, unindo as várias forças políticas e destacou que se o “Go More” tivesse sido feito há mais tempo, Braga teria vencido o galardão de melhor destino europeu. “Se tivesse sido lançado antes, provavelmente seríamos o primeiro destino europeu. É um projecto que se direcciona a todos, é verdadeiramente inclusivo. É um projecto de atracção turística, não só para os residentes mas também para aqueles que nos visitam”, esclareceu.

A ferramenta digital foi apresentada no Museu D. Diogo de Sousa e contou com a presença de Luís Pedroso, presidente da UF Maximinos, Sé e Cividade, Altino Bessa, Vereador do Turismo da Câmara Municipal de Braga e técnicos das entidades que escreveram os conteúdos e realizaram o SWIP, aparelho que pode ser levantado no Posto de Turismo de Braga.

O projeto foi desenvolvido pela União de Freguesias Maximinos, Sé e Cividade em parceria com a Associação de Ocupação Constante (ADOC) e a empresa PixelMuries, ambas sediadas em Braga.

 

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação