Braga Destaque

Toxicodependentes injetam-se à face da estrada no Monte Picoto

Redação
Escrito por Redação

O movimento político “Braga para Todos” veio a público denunciar situações no Monte Picoto, em Braga, que põe em causa a saúde pública e a segurança daquele que é um dos principais pulmões ecológicos da cidade.

Em comunicado, aquele movimento denuncia fotografias tiradas a toxicodependentes que se injetam à face da estrada naquele sopé que “vigia” a Av. da Liberdade, principal artéria da cidade bracarense.

Diz o movimento que o monte está “repleto de seringas usadas com sangue na área destinada a caminhadas e bicicletas”, deixando críticas à Câmara de Braga pela “divulgação massiva” ao futuro parque de desportos radicais, com abertura prevista para março deste ano, e à plantação de árvores autóctones.

O movimento fala em “omissão” de um “perigo para a saúde pública e segurança dos frequentadores” deste “espaço verde”, denunciando ainda toxicodependentes que se injetam ao domingo de manhã, quando utilizadores do parque passam nos mesmos locais.

Segundo, Andréa Medeiros do Braga para Todos, as fotos enviadas em comunicado são de um domingo e mostra, às 11h da manhã, um toxicodependente a injetar-se na via pedonal, tentando “esconder-se” com auxílio de um guarda-chuva.

“Falo de um domingo de sol, às 11h da manhã, onde havia crianças com os pais e pessoas com animais”. Diz Andréa Medeiros que “isto é comum”, reforçando que a Câmara de Braga tenta “vender via meios de comunicação, como um espaço verde que até recebeu milhares dos fundos europeus e vai ter um parque que é dos locais mais perigosos da cidade, tanto a nível de saúde pública como de segurança”.

O Braga para Todos, nas palavras de Andréa Medeiros, tem o ambiente como das principais bandeiras nas ações políticas e não é a primeira vez que aborda o Monte do Picoto, no entanto, queixam-se de “falta de capacidade de Ricardo Rio de ouvir a oposição, neste caso cívica, e de não agir no que realmente importa”.

“É inconcebível a forma como o Monte do Picoto é pensado, ou nem sequer é pensado pelo edil, ou seja, por um lado vende-se o local e fazem-se projetos que não temos nada contra, aliás quanto mais atividades houver melhor para o espaço que é um local privilegiado para a cidade, mas a limpeza não existe nem há polícia a passar várias vezes ao dia”, diz, referindo que “bastava isso para evitar estas situações. O movimento refere que o policiamento intensivo naquele local já “foi prometido”, mas não cumprido.

Andréa Medeiros diz que as fotos serão enviadas a Ricardo Rio, presidente da Câmara de Braga, mas acredita que serão ignoradas: “O nosso movimento não é recebido por Ricardo Rio, aliás, o mesmo já negou duas vezes reunião, parece ter dificuldade em aceitar que tem um grupo de cidadãos e cidadãs cada vez maior, mais organizado, a defender os interesses dos bracarenses, e acaba por nos dar força, porque se não nos recebe é porque deve ter receio de não ter argumentos para as suas falhas constantes na gestão do município”.

Sobre o Monte do Picoto o Braga para Todos é direto e objetivo: “ Queremos policiamento: durante o dia patrulha de carro e de bicicleta na parte pedonal, e durante a noite um carro a circular como acontece no centro, depois queremos que a AGERE, enquanto que Braga não tem uma sala de consumo assistido, outro dos nossos pedidos a Ricardo Rio, que limpe o Monte do Picoto com uma equipa especializada duas vezes a três por semana, que a Braval instale ecopontos, porque a nível de reciclagem Braga também não é exemplo, e se ali é uma área propícia a desporto faz sentido por alguns ecopontos menores e também caixotes para lixo orgânico em todo o percurso, ou seja, pedimos coisas que não afetam as contas camarárias porque não envolve aumento dos gastos, mas surte efeitos positivos na vida dos bracarenses: terem um espaço verde para passear com família, animais, fazer desporto, acima de tudo seguro e também um ponto estratégico para o turismo, porque é o único miradouro da cidade onde contempla-se o centro. Não é preciso festas, nem milhares de euros, apenas adaptar-se às reais necessidades da cidade e isto vai agradar sem dúvida todos”, termina o comunicado.

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação