Destaque

Eurodeputados em conflito sobre quem trabalha mais

Partilhe esta notícia!

Depois de José Manuel Fernandes (PSD), de Vila Verde, ter sido eleito o eurodeputado português mais produtivo e assíduo, o eurodeputado Nuno Melo manifestou-se, com um pedido de direito de resposta ao jornal O MINHO e José Manuel Fernandes respondeu.

Os dados são do MEP Ranking, que analisa a prestação dos eurodeputados em quatro categorias: relatórios apresentados, declarações no parlamento, funções exercidas e assiduidade. Enquanto que José Manuel Fernandes se encontra na liderança, ocupando o 33.º lugar entre todos os eurodeputados do Parlamento Europeu, Nuno Melo ocupa um dos últimos lugares da lista.

Os resultados do ranking dizem que o social-democrata tem uma assiduidade de 98% em sessões plenárias e de 95% em votações nominais, além de ter realizado 811 discursos, feito 20 perguntas escritas, apresentado três moções, duas declarações, 14 emendas de relatórios e 932 explicações de voto.

Nuno Melo contestou o ranking, assegurando que tem “mais trabalho registado”. “Sabia que o MEP Ranking é uma fraude em democracia? Sabia que não é um site oficial? Sabia que os eurodeputados que paguem são favorecidos?”, questionou o vice-presidente do CDS. “Sabia que no ranking, eurodeputados com menos trabalho registado que eu em todos os critérios aparecem misteriosamente acima?”, voltou a insistir.

Nuno Melo afirmou, ainda, que José Manuel Fernandes apenas lidera no número de relatórios, porque “coordena uma comissão, atribuindo relatórios a si próprio”.

O político admite ter orgulho no seu trabalho e afirma que não admite que o seu esforço “seja assassinado através de fake news”, atirando que o título justo seria “Nuno Melo é o eurodeputado mais produtivo”.

Por outro lado, José Manuel Fernandes contra-ataca, afirmando que Nuno Melo usou o seu direito de resposta para “poder emitir publicamente uma série de mentiras e insinuações covardes”.

O político de Vila Verde acusa Nuno Melo de ter feito ataques pessoais e utilizado a “insinuação e a falsidade para disfarçar as suas conhecidas fragilidades”. “A insinuação torpe de pagamentos promocionais ultrapassa todos os limites e chega a ter relevância criminal”, declarou o eurodeputado no seu também direito de resposta, acrescentando que recusou divulgar o ranking e prestar declarações sobre ele.

José Manuel Fernandes acusou o vice-presidente do CDS de ter usado apenas itens que o valorizam a si próprio, afirmando que “a argumentação não é séria e omite os indicadores fundamentais. Não refere um único relacionado com a atividade por excelência de um deputado: a atividade legislativa! Omite porque não tem atividade legislativa!”

Explicou, ainda, a questão dos relatórios e das coordenações, assegurando que é coordenador porque foi eleito pelos seus pares, “por unanimidade e aclamação”. Diz, também, que “se Nuno Melo fosse coordenador e tivesse mais influência política e trabalho parlamentar do que eu, dava-lhe os parabéns. Essa é outra enorme diferença. Essa é a grande diferença!”, concluiu.

 

Comentários

topo