Braga

Primeiro Festival Vegan de Braga espera 2.000 pessoas

Fernando André Silva

Vem aí o primeiro Festival Vegan de Braga com o objetivo de mostrar “como é fácil deixar os animais fora do prato”. Promovido pelo movimento cívico “Braga para Todos”, defensor da alimentação vegan e promotor do “S. João Vegan”, que decorreu em 2017, este novo festival tem organização da Abandoned Pets, da Braga Animal Save e conta com apoio logístico do Espaço Toca e da Celeiro.

Em comunicado, Elda Fernandes, elemento da organização, refere que o festival decorre durante dois dias e conta com 15 expositores dedicados ao veganismo. Para além das refeições vegan, há também workshops para ativistas e várias palestras.

Segundo Elda Fernandes, a organização “está otimista e espera, mais uma vez, mostrar como é fácil deixar os animais de fora do prato, do vestuário e de outros produtos, sejam de higiene, sejam de limpeza”.

“Numa altura em que há alguma consciência de como se encontra o nosso planeta, (…) defendemos os direitos dos animais e não se pode considerar que estes tenham uma vida digna, longe disso, são tratados como objetos onde o seu fim é satisfazer um prazer nosso”, acusa, não se importando que essa “posição coloque muitos ativistas revoltados”.

“Temos que entender que a indústria agropecuária além de destruir o planeta é uma ação cruel que uma espécie, a humana, faz sobre outra. É uma consequência de uma tradição do antropocentrismo que não faz sentido na forma como pensamos o todo”, diz Elda Fernandes.

O Festival Vegan, além de refeições confecionadas pelas associações organizadoras que revertem na totalidade para o bem-estar animal e carecem de inscrição obrigatória, terá ainda a presença de expositores como: Capuchinho Verde, Menu Vegan, Mãe Natureza, Panos da Vera ,Respiramor, Vegan Care, Malu ecoshop, Bvegan, Nina Coopstore, Pecado Saudável, Adamasttor ,Enchidos Agramonte, Bee Portugal, The vegan Care, Flor da vida , Chanson Portugal, Petiscos Vegan, Hibiscos, Associação Vegetariana Portuguesa.

A nível de ações, o festival começa, no sábado às 15h com um workshop destinado a ativistas e a associações, onde serão transmitidas noções básicas de comunicação que visam passar uma mensagem de forma clara, objetiva e transmitir ferramentas para que um ativista consiga criar um comunicado de imprensa, o workshop será dado por Elda Fernandes, uma das fundadoras do movimento Braga para Todos , com formação e experiência na área da comunicação.

Após as 16h30 inicia-se a palestra do Braga Animal Save e a visualização e discussão do documentário “The end of meat”, no horário do jantar haverá atuação ao vivo da banda Pain is the new cocaine, o fecho, no primeiro dia do festival está previsto pelas 22h.

No domingo, o Festival Vegan abre portas pelas 11h e haverá uma palestra ao 12h com a presença do fundador da Ecoaldea Vegetariana Espiral, Atzar Batlle. Segue o brunch servido entre as 12.30h e 14h, que terá em simultâneo uma exibição de dança da Arabesk Troupe.

Após as 15h, começam as palestras com Rafael Pinto um conhecido youtube vegan e atleta, que falará do veganismo e exercício físico. Segue-se uma palestra sobre a indústria agropecuária e as alterações climatéricas com a Climate Save Portugal, depois pausa de uma hora.

No último quadro de palestra será possível ouvir Juliana Ferreira, licenciada em Filosofia pela Universidade do Minho, que falará sobre “Seres sencientes como propriedade ou responsabilidade”.

Pedro DMaster Gonçalves que falará do Veganismo fora da luta de mercados” e por fim, Andréa Medeiros integrante do Braga para Todos que falará do “Consumismo e sofrimento animal”. O festival fecha as portas no dia 31 de março às 19h.

Comentários

Acerca do autor

Fernando André Silva

Fernando André Silva

Jornalista