Destaque Região

Distrito de Braga com 1.801 casos de violência doméstica em 2018

Ambulância Bombeiros Vol. de Braga (c) FAS / Semanário V
Agência Lusa
Escrito por Agência Lusa

Os distritos de Lisboa, Porto, Setúbal, Aveiro e Braga foram os que em 2018 registaram mais ocorrências de violência doméstica, representando mais de 60% do total de participações, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI).

De acordo com o RASI de 2018, hoje entregue no parlamento, a violência doméstica contra cônjuge registou uma diminuição de 0,8% com 22.423 casos registados nas forças de segurança em 2018, menos 176 casos.

Em termos absolutos Lisboa registou 5.981 casos, o Porto 4.614, Setúbal 2.458, Aveiro 1.804 e Braga 1.801 participações à Polícia de Segurança Pública e à Guarda Nacional Republicana.

As participações registadas nas regiões autónomas representaram cerca de 7%.

Quanto à taxa de incidência, as mais elevadas registaram-se nas regiões autónomas com 3,9 nos Açores e 3,4 na Madeira.

No continente a taxa de incidência de violência doméstica foi de 2,5, destacando-se Santarém com a menor taxa (1,7) e os distritos de Faro (3,2), Portalegre (3), Setúbal (2,9), Lisboa (2,6), Porto (2,6) e Aveiro (2,5) com taxas superiores à média nacional que é de 2,57.

O relatório indica ainda que 78,6 % das vítimas são mulheres e 83,5% dos denunciados são homens e que em 53,1% dos casos a vítima é cônjuge.

Em 16,7% das situações é ex-conjuge, em 15,1% é filho ou enteado e em 5,4% é pai/mãe/padrasto ou madrasta.

Seis por cento dos denunciados têm idades entre os 16 e os 24 anos e quanto às vítimas 12,2% têm menos de 16 anos e 9,4% ente entre 16 e 24 anos.

O RASI dá conta de uma diminuição de 8,6% da criminalidade violenta e grave no ano passado, em relação a 2017, e de uma descida de 2,6% dos crimes gerais, apesar de se ter registado um aumento de 34,1% dos homicídios e de 46,4% dos crimes de extorsão.

Os crimes que contribuíram para a diminuição da criminalidade violenta e grave no ano passado foram o roubo por esticão, que desceu 18,6%, o roubo na via pública sem ser por esticão, que baixou 9,4%, menos 552.

Comentários

Acerca do autor

Agência Lusa

Agência Lusa