Braga

Braga acolheu 1.º Festival Vegan e já pensa na segunda edição

Redação
Escrito por Redação

Primeira edição do Festival Vegan em Braga aconteceu este fim-de-semana no Espaço Toca e, segundo a organização, passaram mais de 1.500 pessoas pelo evento.

A organização ficou a cargo do movimento Braga para Todos e das associações Braga Animal Save e Abandoned Pets. Estas fazem um balanço positivo e garantem que haverá nova edição. Quanto ao valor angariado pelas refeições será destinado à causa animal, nomeadamente à esterilização de cães, alimentação e também à garantia que os animais resgatados têm um lar provisório até serem encaminhados para adoção.

Segundo a organização, as pessoas presentes dividiram-se pelas várias opções que o festival ofereceu, seja pelos vários expositores presentes como Capuchinho Verde, Menu Vegan, Mãe Natureza, Panos da Vera ,Respiramor, Vegan Care, Malu ecoshop, Bvegan, Nina Coopstore, Pecado Saudável, Adamasttor , Bee Portugal, The vegan Cake, Flor da vida , Chanson Portugal, Petiscos Vegan, Hibiscos e Celeiro, seja pelas palestras, workshop e ainda documentário que tiveram assistência superior a 80 lugares, seja mesmo nos dois almoços e jantar que o evento proporcionou, valor este para a causa animal, como indica a organização.

Segundo Elda Fernandes,  “o festival ficou marcado por uma grande afluência dos bracarenses e de várias pessoas oriundas também de outras cidades, como Porto, Lisboa, Guimarães, Viseu, e Galiza que aproveitaram para vir a um festival novo, aliás, o primeiro na cidade do género e tivemos um ótimo feedback quer pelos clientes quer pelos expositores que conseguiram apresentar e divulgar bem os seus produtos e a sua missão, por outro lado, mesmo com várias possibilidades em simultâneo, as palestras tiveram um ótimo resultado e o workshop de comunicação para ativistas encheu a antiga sala de cinema, o que mostra que há grande vontade de se conhecer melhor esta filosofia de vida e também ser ativista e onde sê-lo.”

A organização do Braga Vegan, já experimente no ativismo vegan e político e já com vários eventos no último ano, com relevância para o S.João Vegan, tiveram neste fim-de-semana um desafio maior, mas que foi elogiado: “ Não somos uma empresa, aliás, nem temos fins lucrativos, por isso tudo foi feito com muito trabalho e empenho dos ativistas, mas, logicamente sem a logística que estes eventos têm em outras cidades, no entanto, não ficamos atrás, porque a mensagem estava lá e todos os presentes perceberam que o veganismo é fácil, a comida é deliciosa, há opções diversas e que independente da nossa vida e dos nossos objetivos, esta forma de pensar o mundo e deixar os produtos animais é, hoje fácil, económica e uma urgência porque o nosso planeta não aguenta mais o consumo de animais por parte dos humanos face à destruição que a indústria agropecuária faz nos espaços verdes, os poucos que existem ainda.” conclui Elda Fernandes.

Sobre Braga estava preparado para uma agenda de veganismo a organização diz que não tinha dúvidas, face ao trabalho que fazem no terreno e a outros eventos, mas para quem tinha, aliás muitos dos presentes acreditam, agora estarem dissipadas: “ Braga é segundo melhor destino turístico europeu, este tipo de evento demonstra a evolução dos tempos, o veganismo não é uma tendência, mas, sim um modo de vida, Braga está a acompanhar a evolução da sociedade que se sente já a nível mundial e nacional, e este festival representa isso mesmo”

Novas iniciativas de veganismo o organização Braga Vegan afirma que estão já a tratar do S.João Vegan, que terá a segunda edição este ano, e que haverá mais festivais: “ Vamos fazer novamente o S.João Vegan, e o festival vamos repetir, desta vez já com mais conhecimento e certamente algo ainda maior, porque há potencial e vontade para isso”

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação