Região

Idosos que vivem sós “ligados” a trabalhadores de empresa de Viana do Castelo

DR
Agência Lusa
Escrito por Agência Lusa

Os idosos de Viana do Castelo que vivem sós vão ter acesso, a partir de 01 de maio, a uma linha telefónica, gratuita, que disponibilizará apoio prestado pelos trabalhadores da empresa que criou a ligação “NAO viv SO(s)”.

A linha telefónica gratuita, hoje apresentada publicamente, resulta de um projeto de responsabilidade social empresarial pela empresa BMVIV, no âmbito do Laboratório de Promoção de Responsabilidade Social Empresarial na Região Norte – RSE- INNOLAB.

Através daquela linha, “os idosos podem pedir ajuda para compras e medicamentos, pequenas reparações em casa ou mesmo algumas obras”.

O apoio será garantido, “em horário laboral”, pelos 36 trabalhadores da empresa.

“Rejeitamos em absoluto que se confunda esta ação com caridade. Que seja visto, antes, como algo que deve fazer escola e trazer outros para a causa”, afirmou o administrador da BMVIV, Licínio Lima.

Para assegurar o funcionamento da linha “NAO viv SO(s)”, a BMVIV contratou um invisual. Luís Fernandes é cego desde os 18 anos e conseguiu o seu primeiro contrato de trabalho aos 40 anos.

“Fiz várias tentativas, mas nunca me contratavam, só aceitavam estágios. Este é o meu primeiro emprego, com todos os direitos e deveres, e logo num projeto com a importância social como este”, referiu Luís Fernandes.

A empresa está instalada desde 2018 numa área de 2.400 metros quadrados, na zona industrial de Neiva, num investimento privado que ascendeu a 1,3 milhões de euros, prestando serviços de instalação e manutenção de equipamentos, eficiência energética e soluções globais de engenharia, com clientes em todo o país e no estrangeiro.

Em Portugal, a empresa tem um volume de faturação anual de 2,5 milhões de euros. No Brasil detém uma participação numa empresa no Brasil para o negócio de Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos e produção de energia.

A linha SOS “funcionará, inicialmente, no concelho de Viana do Castelo, sem custos para quem liga e com a empresa a mobilizar meios humanos e transporte, próprios, para responder às solicitações, que podem passar por reparações de maior porte, limpeza e pintura da habitação”.

Desde 2016, a BMVIV “passou a dar folga aos trabalhadores, à sexta-feira à tarde”, sendo que “em troca”, a pedido da empresa, “uma vez por mês, os trabalhadores abdicam daquela folga para atividades solidárias conjuntas e até criou, nas suas instalações, um “centro anti-stress”.

O RSE-INNOLAB criado em fevereiro, ao abrigo do programa GEMCAT – Criação de Emprego de Qualidade Transfronteiriço, financiado pelo programa INTERREG V A Espanha-Portugal (POCTEP), e é liderado Junta da Galiza.

Do lado espanhol, tem como parceiros a Consellería de Emprego da Junta de Castela e Leão e a Conselleria da Educação e Emprego da Junta de Extremadura.

Do lado português, fazem parte a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, a Direção Geral do Trabalho, a Câmara de Braga, a Universidade do Porto (UP) e a Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), onde está instalada a sede do RSE- INNOLAB.

Comentários

Acerca do autor

Agência Lusa

Agência Lusa