Andreia Santos Opinião

Opinião. “Run Fast, Eat Slow”

Andreia Santos
Escrito por Andreia Santos

É quase 25 de Abril. Uma data que me importa. Escrevo-te depois da Páscoa que espero ter sido boa para ti. E depois de experiências pessoais significativas que me trazem para aqui o tema de que te quero falar hoje. Relaciona-se com a liberdade o que te quero contar. Com o poder que temos para fazer as escolhas que serão mais importantes para nós. Conversa-se muito sobre equilíbrio, mas provavelmente será impossível tornar as áreas de vida proporcionais no tempo que lhes dedicamos. Como é contigo? Onde se concentra mais o teu tempo de vida neste momento? Será que o work-life balance é mesmo o que podemos tentar viver? Diria que não e não estou sozinha neste pensamento, por muito que isto te intrigue…

“Be passionate, be balanced!” é o que nos dizem quanto aos desempenhos que temos… Se pensarmos bem no entanto, as duas coisas serão opostos… E então? Brad Stulberg e Steve Magness, destacam o que  é muito impressionante e apaixonante em atletas, empreendedores, executivos: “normalmente trabalhamos com pessoas cuja motivação intrínseca é muito elevada”, (aqueles que gostam do trabalho que fazem e não se regulam apenas pelas recompensas externas ou pelo reconhecimento que o seu trabalho trás), “quando estás todo/a no que fazes e estás  “a morrer”para melhorar, a inclinação natural que temos é a de continuar a avançar intensamente… Dificilmente temos que os/as “empurrar” para a frente, mas a dificuldade está em trazê-los/as para trás”. O grande problema disto, é que, sem querer, esta vontade forte conduz à exaustão. Poque mesmo quando não precisam de nos dizer para fazermos, também o nosso corpo e cabeça se cansam trazendo consequêcias devastadoras por vezes sem darmos conta… Pode ser muito difícil dar um passo atrás do trabalho quando o sentimos e até a nossa identidade se confunde com o que fazemos…

Ontem ouvi o Bruno Lage a falar de escolhas, do aniversário do filho em que não esteve e do tempo que perdeu que já não irá recuperar… Disse isto à sua equipa… E, por incrível que pareça, é nesta auto-consciência que estará a solução para que as nossas vidas sejam realizadas e íntegras, de acordo connosco. Não é incomum que atletas profissionais e pessoas de negócios lutem contra depressões… quanto mais entrega existe, menor consciência há do processo, o que piora quando sabemos que o tempo de performance será limitado. Quase todos os profissionais de topo são unânimes em reconhecer que o descanso é muito importante, dormir por exemplo, e que a formula do sucesso é a do crescimento, considerando esses momentos depois de períodos de stress. E então?

Tal como em Bruno Lage, Shalane Flanagan, a primeira runner a ganhar a Maratona de Nova Iorque ou Ernie Duncan, atleta de basquetebol da Universidade de Vermont que regressou há pouco após vencer a batalha contra a ansiedade e pensamentos suicídas, a ideia central não será a de procurar o balance, antes a de nos preservarmos auto-conscientes para podermos viver a nossa paixão, sem deixar que ela nos derrube. Manter tempo para nos conhcermos, recuperar e tomar decisões acertadas sobre como gastamos o nosso tempo e energia será mais proveitoso. Shalane nunca se distanciou de outros dos seus interesses, como a família ou a culinária, mas assume que é duro gerir tudo em simultâneo. Assim, depois de entrega total, pára e volta-se para o cuidar de si e para a compreensão da sua vida. “Run Fast, Eat Slow” é mais a metáfora a usar para sermos livres do mundo e estar verdadeiramente nele também. Feliz Primavera! Até já!

Comentários

Acerca do autor

Andreia Santos

Andreia Santos

Psicóloga Clínica e da Saúde Formadora Profissional