Opinião

Opinião de Andreia Santos: “Respeito”

Andreia Santos
Escrito por Andreia Santos

Estou quase a terminar o meu dia, mas não sem antes te dedicar atenção. A ti que me lês e espero já te tenhas habituado àquilo que alguns chamam de exigência quando te faço pedidos e/ou te deixo a pensar. Para mim, é confiança. E é sobre isso que hoje te quero falar. Quero dizer-te outra vez que confio em ti para ires mais além.

Hoje o mercado pede-nos para sermos criativos, para darmos o melhor de nós e só desta forma nos posicionamos num lugar cimeiro nos resultados. É um facto. Mas, diria, há princípios inabaláveis na cultura de quem pode efectivamente ganhar. (E creio que foi isto que alguns dos discursos no rescaldo do campeonato nacional de futebol quiseram também evidenciar).

Existem os que chegam ao primeiro lugar, outros que por vezes não, nada disto invalida que apesar de competidores em campo, tenham que ser rivais no crescimento. Ouvi a semana passada o Hugo Filipe Ribeiro, CEO da Magikbee, dizer algo que considero um passo à frente na postura empresarial, pelo carácter que revela: “para quê perder tempo a estudar modelos ou estratégias se outros já criaram o que nos pode ajudar a chegar onde queremos?” Creio que esta é uma forma de respeito pelo mérito dos outros que dá, como sublinhei, mérito a quem age assim. Na realidade, como nos diria Joseph Gordon-Levitt: “a criatividade impõe-se, mas quando é movida pelo desejo de atenção, nunca nos realizará de facto.” É preciso um SHIFT no que fazemos, percebendo o que poderia ser já óbvio dadas as circunstâncias de aprendizagem que já tivemos: “juntos chegamos mais longe.” “É na nossa reacção ao mundo que se vê como somos. Todos têm experiência e as suas qualidades e todos a oferecem da mesma forma, expondo-a. Ninguém é especial. A única coisa que nos resta é ser honestos e aprender uns com os outros.” Nenhum dos players sabe tudo.

Se uma das chaves para a vitória é a criatividade e esta não chega sem que se preste atenção, será quando nos isolamos no pretensiosismo de atacar, humilhar ou desculpar a falta de alcance dos próprios projectos ou atitudes que perdemos possibilidades de crescer. “As pessoas fantásticas são aquelas que fazem os outros sentir que podem ser fantásticas também,” Mark Twain. Parabéns aos que ganham e a todos os que perdem de forma sóbria e humilde na reacção. Um dia ganha-se, outro perde-se novamente e há mesmo coisas mais importantes… Parabéns aos que pedem ajuda e oferecem ajuda… Porque não cooperar e sair da caixa do status quo? As pessoas de sucesso que conheço são felizes, começam a ser empresárias antes de o ser. O discurso que apela ao essencial na vida: falar dos filhos, dos amigos ou das presenças importantes no seu percurso é um denominador comum dos campeões. Dos que olham para o lado e sabem que trabalho é penas trabalho, que a missão se inspira no que existe antes de tudo e ditou o caminho. Ontem um coachee meu dizia-me que é fácil decidir quando sabemos no que acreditar… Deixo contigo. São 23:57h, eu agora vou dormir, mas ainda te peço para pensar que precisamos de nos unir. Estamos juntos? Espero que sim. Até já!

Comentários

Acerca do autor

Andreia Santos

Andreia Santos

Psicóloga Clínica e da Saúde Formadora Profissional