Destaque

António Vilela, deputado do PSD e diretor acusados de corrupção no processo de venda da EPATV

Já há acusação. António Vilela, presidente da Câmara de Vila Verde, Rui Silva, deputado do PSD e João Luís Nogueira, atual diretor da EPATV, foram formalmente acusados pelo Ministério Público de corrupção, prevaricação, participação económica em negócio e abuso de poder.

Ao que o Semanário V apurou junto de fonte ligada ao processo, os arguidos receberam esta quarta-feira a acusação por parte do Ministério Público, imputando estes crimes que levaram à detenção de António Vilela e de JLN, em 2017. Também Rui Silva viu a imunidade parlamentar levantada para prestar declarações na Polícia Judiciária, já em 2019.

As principais suspeitas do Ministério Público recaem sobre António Vilela, sendo o autarca acusado de ter feito um concurso à medida para João Luís Nogueira, proprietário da Val d’Ensino, que adquiriu, na altura, 51% da EPATV.

Desconfia o Ministério Público que António Vilela procurava obter apoio político por parte de JLN. Há ainda uma quantia em dinheiro que os três arguidos terão beneficiado e que a PJ suspeita que deriva do negócio da venda daquela escola, até então pertencente ao erário público através das três autarquias do Vale do Homem.

Já Rui Silva, atual deputado do PSD na Assembleia da República, está acusado de ter facilitado o negócio e de ter obtido contrapartidas, nomeadamente por ter sido integrado nos quadros da EPATV depois de ter feito parte do júri que aprovou a venda. Terá ainda lucrado com o negócio de um carro.

De lembrar que o caso abalou Vila Vede, em fevereiro de 2017, quando António Vilela e JLN foram levados pela Polícia Judiciária de Braga, tendo passado a noite nos calabouços. Foram ouvidos no dia seguinte e ficaram sujeitos às medidas de coação. No caso de António Vilela, ficou impedido de contactar com o departamento financeiro da autarquia e de estar na mesma sala que os outros arguidos. Entretanto, as medidas de coação foram extintas devido ao período limite imposto pelo juiz.

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo