Destaque Região

PJ faz buscas na Câmara de Ponte da Barca por alegada corrupção

Fernando André Silva

A Polícia Judiciária esteve na Câmara de Ponte da Barca, no âmbito de uma investigação por alegada corrupção, envolvendo a nomeação de Inocêncio Araújo como vereador a tempo parcial.

Em comunicado citado pela Agência Lusa, aquela autarquia esclarece que “os serviços municipais foram contactados no dia 6 de junho pela Polícia Judiciária, tendo cedido voluntariamente e de boa-fé toda a informação e documentação solicitada”.

Esta investigação decorre na sequência da nomeação de Inocêncio Araújo – candidato às últimas autárquicas de 2017 pelo Partido Socialista (PS) -, como vereador em tempo parcial na autarquia que foi ganha por Augusto Marinho, do Partido Social Democrata (PSD). Inocêncio era adjunto do anterior presidente da Câmara, Vassalo Abreu, eleito pelo PS.

Em outubro de 2018, a vice-presidente da autarquia eleita pelo PSD não votou o orçamento municipal para o ano de 2019, por alegadamente não ter sido “envolvida” na elaboração do mesmo, que, aponta, terá sido feita em exclusivo pelo atual presidente da Câmara.

Maria José Gonçalves queixou-se posteriormente de estar a ser vítima de bullying por parte do autarca, tendo sido “substituída” pelo vereador socialista, que, após ser nomeado vereador do executivo em janeiro de 2019, foi ainda promovido nos quadros do município, passando a exercer funções como técnico superior (até à data era encarregado operacional).

O presidente da Câmara de Ponte da Barca terá então retirado os pelouros à anterior vice-presidente da autarquia, delegando-os no candidato socialista que viu a concelhia local do PS a pedir a sua expulsão do partido na sequência do que apelidaram como uma “traição”.

Segundo o autarca, Inocêncio Araújo demonstrou “atitude de proatividade, colaboração e disponibilidade” (…) “contribuindo ativamente para um debate sério e responsável, apresentando formal e informalmente, propostas para a resolução dos problemas do concelho”.

Já a comissão política do PS de Ponte da Barca referiu ser “inaceitável para a imagem e bom nome do partido [socialista] correr a ideia junto da população de que a crise política no seio do executivo PSD foi resolvida através da compra do vereador da oposição”.

“É hoje evidente que, no exercício do mandato autárquico, Inocêncio Araújo criou na opinião pública a desconfiança de utilização do seu cargo de vereador para obtenção de vantagens pessoais como funcionário da Câmara Municipal de Ponte da Barca”, frisou o partido.

Recorde-se que a antiga vice-presidente da autarquia já foi também ouvida pela PJ no âmbito desta investigação.

Comentários

Acerca do autor

Fernando André Silva

Fernando André Silva

Jornalista