Destaque Vila Verde

Obras de saneamento em Vila Verde danificam carros. Município não se responsabiliza

Mariana Gomes
Escrito por Mariana Gomes

As obras de saneamento no concelho de Vila Verde têm dado que falar recentemente, desde o tempo de execução ao estado das estradas. Claúdia Pinheiro, de Vila Verde, ficou com o carro danificado devido à intervenção na sua rua.

“Moro numa das ruas que estava a ser intervencionada para saneamento e a estrada ficou danificada durante várias semanas. Inicialmente estava em lama, depois colocaram gravilha e continuou com vários buracos”, contou Cláudia ao Semanário V, acrescentando que estas obras deixaram o seu carro com a direção desalinhada, com manchas de alcatrão cravadas e marcas de gravilha.

“Fiz a vestoria em outubro e estava tudo bem. Em janeiro começou a fazer barulhos por todo o lado, a direção ficou desalinhada, é preciso mexer em dois braços nas rodas da frente, devido ao carro andar sempre em solavancos e ficou cravado com pedras e gravilha”.

Cláudia adianta que já apresentou queixa formal no Município de Vila Verde no incício do ano, tendo recebido a resposta no passado mês de julho. “Fiquei meses à espera da receção da carta. Estou há seis meses para arranjar o meu carro. O orçamento é quase 700 euros e eles ainda andam a arranjar soluções para ser eu a fazê-lo”.

Sem uma resposta, Cláudia afirma que insistiu com o Município para arranjar uma solução, ao que lhe disseram para evitar usar a estrada que estava a sofrer intervenções.

“Eu sou obrigada a passar na estrada, é a rua onde eu moro e não tenho alternativas. Para eu estacionar o carro em casa tinha de passar obrigatoriamente naquela estrada”, confessou.

Em fevereiro dirigiu-se ao Município com o advogado, onde lhe disseram “para comprar um liquído para remover o alcatrão”.

“Quando eu fui lá com o meu advogado eles já tinham rejeitado a queixa. Tinham a carta, mas não me tinham enviado. Eles disseram que iam mandar a carta por escrito para eu entrar com o processo judicial. Quase todas as semanas ligava com a Câmara e perguntava quando me iam enviar a carta e tinha um certo tempo para apresentar queixa relativamente à resposta. Em junho liguei novamente e passaram-me para o departamento jurídico e disseram que a queixa tinha ido para a avaliação. Entretanto mandaram novamente a resposta a dizer que foi rejeitada”.

Recentemente, Cláudia fez uma publicação nas redes sociais na qual identificou o presidente do Município de Vila Verde “e no dia seguinte estavam a tapar os buracos na rua da minha casa”.

Segundo Cláudia, as obras duraram cerca de um mês, tendo a rua estado em lama durante vários dias.

Cláudia afirma que vai avançar com um processo para tribunal, porque considera que “a culpa não é das pessoas nem da condução das pessoas, é do estado das estradas e do tempo que duram estas intervenções”.

 

Comentários

Acerca do autor

Mariana Gomes

Mariana Gomes

Jornalista