Braga

“Aldeia das Religiões” – Padre João Torres lança o desafio do projeto no Orçamento Participativo de Braga

Partilhe esta notícia!

Até 15 de Novembro pode votar na  sexta edição do Orçamento Participativo da Câmara Municipal de Braga, que começou em 2015, tem o montante global é de 750.000 euros.

Na edição deste, o Pe. João Torres lança o desafio da “Aldeia das Religiões” PROJETO OP20/PROJ0008, que pretende promover o encontro e a interação ecuménica e inter-religiosa, à semelhança do que aconteceu no ano de 2012, em Priscos. Foi uma experiência pioneira, que se pretende repetir, pois foi capaz de oferecer uma pedagogia de interculturalidade à sociedade bracarense, cada vez mais chamada à integração de diferentes culturas, que no fenómeno religioso têm um vector fundante e culminante.

“Só se respeita o que se conhece”, disse em declarações ao V. “É sempre difícil respeitar o que não conhecemos. E, quando tratamos do complexo mundo das religiões, experimentamos dificuldades de compreensão, entendimento e respeito às crenças alheias. Daí a importância do diálogo, pois é ele que nos permite a troca, o conhecimento e o reconhecimento das vivências religiosas dos outros”, acrescenta o Padre João Torres em comunicado.

Dialogar, conviver, conhecer, estudar ou pesquisar o universo religioso são atividades fascinantes, interessantes e servem, sobretudo, para acabar com os fundamentalismos. Os fundamentalistas são aqueles que cultivam a ideia de que a sua religião é única e de que todas as demais formas têm de ser abolidas. Em nome das religiões, não se justificam guerras e conflitos, porque todas elas deveriam ensinar o amor como valor maior da convivência humana. Em nome das religiões, cabem atitudes de respeito, consideração, diálogo e paz.

 

Este evento tem como objectivos:

– Situar a importância das religiões e das convicções numa sociedade e num mundo plurais.

– Envolver a sociedade bracarense na realização do evento e criar-lhes referências sobre o mundo das religiões.

– Compreender a relevância da dimensão religiosa no processo de bem estar das pessoas.

– Perspectivar o Diálogo Inter-religioso enquanto contributo para a construção da Paz e para um melhor entendimento entre pessoas e povos.

– Convidar líderes religiosos de várias religiões.

 

Haverá dois espaços de convívio: TENDA DO ENCONTRO e o REFEITÓRIO COMUM.

 

A TENDA DO ENCONTRO: Será um espaço de paragem e passagem onde, no decorrer deste evento, haverá lugar para o diálogo, partilha e convívio. Neste espaço haverá lugar para conferências, espetáculos musicais, Dança. Meditação, Oração, teatro, apresentação de livros, tertúlias….

 

REFEITÓRIO COMUM: Será um espaço para convívio sadio à mesa. As ementas estão a ser estudadas ao pormenor para que todos possam comer a mesma comida. Por exemplo: não haverá carne de porco no refeitório comum…

Em comunicado ao V, o responsável por esta iniciativa refere que: 

“Esta “Aldeia das religiões” quer tornar-se uma significativa ferramenta de diálogo inter-religioso e inter-cultural. O diálogo inter-religioso emerge hoje como um dos grandes desafios para o século XXI. Com esta iniciativa queremos contribuir para consolidar a convivência pacífica entre as pessoas de vários credos, criar a reflexão crítica sobre a importância de um viver fraterno, bem como a consciência de pertencer a um grupo e de ser alguém capaz de fazer a diferença nas relações humanas através do resgate da razão, da paciência, da tolerância, do amor e da paz”.

 

Defende o diálogo inter-religioso

“O diálogo inter-religioso tem o seu próprio valor. Ele não pode ser visto como plataforma preparatória para outra atividade, como por exemplo a missão evangelizadora. Trata-se de um bem em si, de uma realidade auto-finalizada, por isso não está ao serviço de nenhum outro objetivo, senão o da abertura sincera e gratuita à alteridade, à disponibilidade do conhecimento mútuo e recíproco enriquecimento.

 O diálogo requer “cortesia espiritual” e abertura do coração. Requer igualmente uma espécie de conversão ao universo do outro. Isto não é uma tarefa fácil, mas um processo que pressupõe um indispensável estado espiritual de desapego e hospitalidade. Por isso, para que a Aldeia das Religiões se realize serão feitas dezenas de reuniões, muita troca de e-mails e horas de conversação telefónica”, adianta o responsável.

Podem votar todos os cidadãos com idade igual ou superior a 16 anos que residam, trabalhem ou estudem em Braga e que se inscrevam no portal do Orçamento Participativo da autarquia. Basta aceder a https://participe.cm-braga.pt

 

(c) Aldeia de Religiões

(c) Aldeia de Religiões

Comentários

topo