Destaque Opinião Raul Marques Pereira

Opinião. Sobre a imprevisibilidade da Medicina – a emoção e a razão

Redação
Escrito por Redação

A melhor forma de prever o futuro é criá-lo”, Peter Drucker

A medicina moderna criou, compreensívelmente, uma aura de definição absoluta, quer diagnóstica quer ao nível do tratamento. Este modelo tem evoluído para um patamar de prestação de cuidados em que as emoções têm vindo a ser retiradas da equação, sendo substituídas por uma racionalização absoluta da prestação de cuidados de saúde.

Sem dúvida que a adopção de uma metodologia mais matemática e menos artística à Medicina teve o objectivo de criar métodos de trabalho e de tratamento das pessoas que sofrem que sejam o mais objectivos e replicáveis nos diferentes patamares dos sistemas de saúde. Se esta uniformização de métodos é obrigatória para garantir boas práticas, é indiscutível que as emoções, dos doentes e dos profissionais, não podem ser  colocadas em contraponto.

É importante que os profissionais, principalmente aqueles que cuidam da pessoa com doença grave e avançada, tenham presente que o sofrimento do doente é muitas vezes o do profissional

É importante que os profissionais saibam que não é sinal de fragilidade sentir a tristeza quando perdemos uma pessoa, que haverá sofrimento naquele que cuida dos outros. E que isto é normal, humano.

É fundamente que, de uma vez por todas, se compreenda que o elevado nível de qualidade técnica não é antagónico da capacidade de sentir as emoções associadas ao sucesso e ao insucesso daquilo que fazemos.

Porque, por muitos modelos de previsão que se possam utilizar será sempre o olhar que nos fará comunicar melhor, será sempre o tom de voz que nos aproximará, será sempre a forma como tocamos a vida das pessoas que fará a diferença.

O imprevisto é o que torna a Medicina um desafio diário. A forma como lidamos com este imprevisto reflecte o nosso comprometimento connosco e com o outro.

O futuro será sempre nosso para criar. E o acto de criar é emocional, talvez a mais importante emoção de todas. Que a ânsia de prever o futuro nunca nos impeça de sentir e de continuar a crescer, lado a lado, com aqueles de quem cuidamos.

Partilhe esta notícia!

Comentários

Acerca do autor

Redação

Redação